Arquivo de etiquetas: uporto

#6COBCIBER: as ameaças ao ciberjornalismo

A falta de tempo, a precariedade, as visualizações, a monetização e a dependência das métricas foram as principais ameaças debatidas no VI Congresso Internacional de Ciberjornalismo, a 22 de novembro, na Faculdade de Letras da Universidade do Porto.

Convidados no debate das ameaças ao ciberjornalismo Fotografia por: Sofia Frias

Quando confrontados com qual seria, atualmente, a principal ameaça ao ciberjornalismo, os convidados ofereceram respostas diferentes. Miguel Soares, editor e coordenador das redes sociais na Antena 1, afirma que atingir o maior número de pessoas e de visualizações possíveis se tornou uma obsessão. Miguel explica ainda que existe uma preocupação em chegar mais rápido e ser o primeiro, em detrimento da credibilidade. As notícias são publicadas sem existir uma justificação ou validação da informação.

Já Pedro Miguel Santos, diretor do Fumaça, acredita que a falta de tempo leva a consequências na forma como as informações são partilhadas.

Para o diretor do V Digital, Sérgio Sousa, a dependência das métricas e a competitividade, em conjunto com a falta de tempo, são as principais ameaças ao ciberjornalismo. “Como transformar o trabalho em dinheiro”, é ainda outra das principais preocupações referidas pelo jornalista.

Sofia Branco, presidente do Sindicato dos Jornalistas, defende, logo de início, que não deve existir uma diferenciação entre jornalismo e ciberjornalismo. Para Sofia, a precariedade é a ameaça ao jornalismo. A jornalista acredita que não existem condições em Portugal para existirem freelancers, sendo que estes têm que exercer outras atividades, para além do jornalismo, para se conseguirem sustentar.

A salvação do negócio

Quando questionados acerca do papel dos jornalistas na salvação do negócio, relativamente ao financiamento do meio, Pedro Santos começou por afirmar que o Fumaça é uma associação independente sem fins lucrativos. O principal objetivo deste jornal é informar de forma transparente, sem esperar qualquer tipo de lucro “a nossa única preocupação é ter os recursos suficientes para fazer jornalismo, pagar salários e ter contratos”. O único retorno que este jornal recebe é através de donativos.

O diretor do Fumaça apela ainda para uma reformulação nas prioridades no meio jornalístico. Por sua vez, Miguel Soares acredita que o financiamento é importante, contudo não deve afetar o trabalho dos jornalistas.

Sérgio Sousa, ao contrário de Pedro Santos, defende que o jornalismo “tem que ser rentável, porque só há independência editorial se houver independência financeira”. Através da sua experiência pessoal, afirma que no V Digital existe uma estratégia de grupo, cuja finalidade é ganhar dinheiro. Declara ainda que o objetivo dos jornalistas é ter o maior número de visualizações, para estas serem transformadas em dinheiro.

Para Sofia Branco “o jornalismo começa a mudar quando os diretores de informação começam a ser os diretores da empresa”. Revela que o negócio tem sido mal gerido, defendendo que não deve haver mistura de funções. Acredita que os jornalistas devem ter acesso a todas as ferramentas necessárias para abordar a informação de forma correta. A jornalista demonstra ainda preocupação com a taxa de 60% de abandono da profissão.

Sérgio Sousa, quando confrontado com o tópico do jornalismo como um bem público, afirma que o Estado tem que ter um papel essencial para permitir que o negócio seja exercido. Alerta ainda para a falta de atenção atribuída à política local, mencionando especificamente a pouca atenção atribuída aos órgãos de informação fora de Lisboa e do Porto.

Polígrafo, Fact-Checking e fake news

A última ronda do debate foi liderada por perguntas do público. A par do lançamento, no dia 6 de novembro, do primeiro jornal português de Fact-Checking, o Polígrafo, os convidados concordam com o objetivo deste jornal, defendendo que é essencial existir sempre a verificação da realidade.

“A credibilidade é fundamental no jornalismo” assegura Miguel Soares. Sérgio Sousa argumenta que os leitores devem ter em atenção as notícias e informações que consomem “não é ver uma notícia e acreditar”.

A presidente do Sindicato dos Jornalistas confessa que “a luta contra o tempo é algo usual”, e que gostaria ainda de ver o Fact-Checking dentro das redações “se pudesse haver uma espécie de backup nas redações, de duas ou três pessoas, que pudessem ver aquilo que sai e verificar se é realmente dessa forma”.

Quando questionados acerca do impacto que o Fact-Checking poderia vir a ter nas fake news, Miguel Soares, declara que o mesmo complicaria o trabalho, mas podia vir a ser uma forma de afirmação do jornalismo. Contudo, explica que é fácil uma notícia falsa ser espalhada pelo mundo, principalmente através das plataformas online. O jornalista critica ainda os leitores, pois estes não procuram por fontes fidedignas ou credíveis.

Pedro Santos garante que nunca existiu tanto acesso a ferramentas que permitem descrever de forma transparente a realidade, como existem agora.

Sofia Branco afirma ainda “não compro a ideia de jornalismo neutro, há influência da opinião pública”. A jornalista encerra o debate apelando à mudança da bolha fechada que é o jornalismo, que se aproxima mais das elites do que os cidadãos.

Sofia Frias, up2017003932, Turma 4

Que problemas enfrenta o Ciberjornalismo em Portugal?

Fotografia por: Rafaela Lobo

“Não há foco no jornalismo”, afirma Sofia Branco, presidente do Sindicato dos Jornalistas, já próximo do final do primeiro dia do VI Congresso Internacional de Ciberjornalismo. Esteve em debate o tema que dá mote ao Congresso, as “Ameaças ao Ciberjornalismo”, na Faculdade de Letras da Universidade do Porto.

Miguel Soares, editor-coordenador das redes sociais da Antena 1, aponta como um dos problemas a obsessão das redações em chegar ao maior número de pessoas , que pode tornar-se contraproducente.

Por outro lado, Pedro Miguel Santos, diretor do Fumaça, culpa a falta de tempo, que traz consequências na forma como se pensa e trabalha.

Sérgio Sousa, diretor do V Digital, fala do retrato que o jornalista tem hoje, ao segundo, de quem está a ver e o que está a ver. Destaca que, se não se tiver cuidado, pode com isso perder-se o foco do jornalismo. Além disso, refere que o dinheiro envolvido também tem a sua influência, tal como em outros meios.

Já Sofia Branco salienta a situação de precariedade que os jornalistas enfrentam, chamando a atenção para o facto de um terço dos profissionais trabalharem como freelancers. Conclui que, por esse motivo, o foco deixa de estar no jornalismo, afetando-se a ética que é um princípio fundamental.

Como resolver estes problemas?

Esperam-se as soluções vindas dos jornalistas e não “dos senhores com os salários grandes”, refere a presidente do Sindicato dos Jornalistas. O setor enfrenta dificuldades e é preciso arranjar soluções adaptadas aos tempos atuais.

“Nunca fiz um trabalho com condicionantes, pressões de acionistas ou políticos”, afirma Miguel Soares, ressalvando que na rádio não se sente tanto essa pressão, salvo em casos excecionais. Pensa que a solução passa por se procurar uma atividade que chegue ao recetor de forma viável, de forma a haver independência.

Pedro Miguel Santos fala precisamente do projeto que lhe diz respeito, cujo “modelo de negócio é não ter negócio”, comparando o Fumaça a uma ONG. O projeto é financiado com bolsas de fundações como a OSF, Open Society Foundations, e a Gulbenkian. Contudo, acredita que um dia vai ser possível pagar o que fazem com as contribuições que recebem”, salientando que para tal é fundamental haver transparência.

Para o presidente do Fumaça “se se definirem prioridades é possível mudar algo no jornalismo”, dando o exemplo de equipas que andam todos os dias atrás do Presidente da República, gastando dinheiro que podia ser canalizado, por exemplo, para uma grande reportagem.

O jornalismo e o negócio

O objetivo dos meios é ser o mais ouvido ou o mais lido. “Só teremos independência editorial se tivermos independência financeira”, são as palavras de Miguel Soares.

Sofia Branco salienta a dificuldade que alguém que é diretor de informação e simultaneamente administrador encontra em não ser influenciado na tomada de decisões. Há uma confusão de funções. Assim, o jornalismo não pode ser alheio ao negócio e, se o negócio é mal gerido, acaba por culpar-se os jornalistas.

No que toca a esta relação, entre o jornalismo e o negócio, questiona-se o papel que o Estado devia ter, além da sua influência no serviço público de televisão ou rádio. Também o papel de multinacionais como a Google ou o Facebook, que “roubam” os conteúdos produzidos pelos jornalistas deve ser questionado.

Para Miguel Soares, o Estado deve assegurar pelo menos condições para se fazer bom jornalismo.

Como assegurar a verdade?

Hoje em dia consome-se informação como nunca mas é importante pensar-se se esta informação está a ser consumida da melhor forma. A última parte do debate destinou-se às perguntas da audiência.

Começou-se pelo Polígrafo, o novo projeto português direcionado para a verificação dos factos.

Os participantes do debate salientaram que esse “fact-checking” é inerente à prática do jornalismo. Apesar disso, Sofia Branco mostrou-se preocupada com o facto de isso poder não acontecer, devido à emergência que as redações sentem para a fazer chegar a notícia o mais rapidamente possível ao público.

Miguel Soares salienta que a diferença entre o jornalista e o cidadão comum passa pela credibilidade, pelo que as pessoas não devem por em causa aquilo que o jornalista diz. Apesar disso, a credibilidade tem de se conquistar, o que implica que as notícias sejam verificadas. “Os jornalistas devem estar escravizados pela credibilidade e não pelo tempo”, conclui.

Surgiu depois do público a questão sobre as fake news e a influência que podem ter na forma como se pratica o jornalismo.

Miguel Soares continuou, dizendo que estas sempre existiram, não se propagavam é com a rapidez de agora e que podem ser uma oportunidade para fortalecer o jornalismo.

Com isto, Pedro Miguel Santos concretizou o debate, afirmando a sua crença de que nunca houve tanto jornalismo de qualidade como hoje em dia.

O Congresso Internacional de Ciberjornalismo decorreu nas passadas quinta e sexta-feira, na Faculdade de Letras da Universidade do Porto. O primeiro dia terminou com a entrega dos Prémios de Ciberjornalismo, logo após o debate.

Rafaela Lobo

#6COCIBER: a propagação das Fake News no Ciberjornalismo

Como se tem difundido o fenómeno das Fake news no ciberjornalismo? Foi esta uma das questões debatidas no primeiro dia do Congresso Internacional de Ciberjornalismo, a decorrer na Faculdade de Letras da UP.

Na Sessão Paralela do Congresso, que decorreu por volta das 14:30 no Anfiteatro 2 (apesar de um pequeno atraso) foi abordado o tema das Fake News. Foram convidados 4 oradores que apresentaram a sua opinião sobre este fenómeno e onde tentaram transmitir a importância da sua consciencialização. A sessão foi moderada por Fernando Zamith.

A sessão iniciou-se com uma oradora de uma Faculdade do Brasil, Maíra Bittencourt, em que esta expôs a influência das redes sociais, nomeadamente o Facebook, na propagação das fake news. A existência de páginas de conteúdo fake torna-se um perigo à credibilidade do ciberjornalismo, e o facto das redes sociais permitirem a sua partilha, aumenta a sua expansão.

Depois de se ouvir as conclusões de Maíra, seguiu-se Alexandra Fante, também do Brasil, que nos mostra como as fake news têm alterado o género discursivo e as consequentes repercussões no meio do ciberjornalismo. “Fake news desapropriam a verdade e desapropriam o formato e dos valores noticia”

A terceira oradora aborda o tema da Agência Lupa, a primeira agência de Fact-checking. Esta organização pretendeu ser uma importante ferramenta no combate às Fake news, apesar de alguns grupos políticos se mostrarem contra: “É a censura 2.0”

Por fim, a Sessão Paralela termina com a participação de Pedro Jerónimo, que aborda o mesmo tema mas de uma perspetiva completamente diferente das restantes. O orador menciona a importância de uma boa formação jornalística na era da propagação das Fake News. Pedro Jerónimo afirma que ainda existe uma incorporação mínima do tema das fake news nos cursos ligados ao jornalismo e que é necessário uma maior consciencialização.

A Sessão Paralela encerrou, deixando na mente de todos a importância da consciencialização do perigo das Fake News.

Entretanto o Congresso continuou e a Faculdade de Letras continuou como o palco de inúmeras outras palestras, onde foram abordados outros temas como: Clickbait, Redes Sociais e o Sedentarismo no Ciberjornalismo.

Mariana Ribeiro

#6COBCIBER: as ameaças ao jornalismo que surgem de dentro para fora

A sexta edição do Congresso Internacional de Ciberjornalismo aconteceu nos dias 22 e 23 de novembro na Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Como parte da programação do segundo dia, o professor Manuel Pinto abordou o tema “Ameaças ao (ciber)jornalismo que vêm do próprio campo jornalístico” em conferência.

Manuel Pinto na conferência “As ameaças ao (ciber)jornalismo que vêm do próprio campo jornalístico”. Foto: Ana Isabel Reis

Em tempos de fake news, conteúdos patrocinados, publicação amadora e redes sociais, para Manuel Pinto, professor da Universidade do Minho, é um erro pensar que os problemas do jornalismo se resolverão apenas por meio do próprio jornalismo. Segundo o orador, falta um posicionamento de defesa e preservação por parte dos profissionais, que por vezes, exercem seus papéis pela ótica do entretenimento e do lucro, e assim, contribuem a colocar a credibilidade de suas profissões em questão.

Ao abordar o jornalismo cidadão como uma das ameaças, o professor afirmou que “é preciso separar o trigo do joio, o que é jornalismo e o que não é”. E complementou a dizer que o “fazer jornalístico” é privilégio daqueles que vivem para o ofício. Cabe ao jornalista o papel de editar, buscar a verdade a todo custo e investigar com competência, tempo e dedicação.

Manuel também pontuou que essas ameaças podem abrir oportunidades para novas questões. Segundo o professor, para contorná-las é importante enxergar a sociedade como sujeitos e não como audiências, se preocupar com a transparência e refletir para além do jornalismo, a conhecer outras áreas e a dialogar com a sociedade.

Como resultado positivo da preocupação dos jornalistas diante dessas circunstâncias, o conferencista mencionou a iniciativa do Sindicato dos Jornalistas que consiste em introduzir a literacia mediática na educação dos adolescentes. O projeto foi apoiado pelo Ministério da Educação e será implementado inicialmente em sete escolas do ensino secundário.

Jessica Santos

Turma 4

Ad blockers para combater a publicidade intrusiva

No século XXI, a publicidade é rainha. No entanto, esta tem vindo a invadir cada vez mais os nossos ecrãs. Os ad blockers são um dos instrumentos para combater esta invasão constante.

 

Quantas vezes abrimos um website e somos instantaneamente bombardeados com banners, popups ou somos redirecionados para uma página de anúncios? Quantas vezes abrimos um vídeo e temos que aguentar os 30 segundos de publicidade antes de o podermos ver? Quantas vezes queremos ouvir música numa aplicação e somos interrompidos por um anúncio?

A parasita da publicidade tornou-se viral, ao ponto de já quase nem pensarmos no assunto, tal estamos habituados à sua presença constante. Mas, um dia, chegamos à conclusão de que já chega; é aqui que os ad blockers entram.

Os ad blockers são software que pode retirar, filtrar ou alterar conteúdos publicitários de uma página ou aplicação. Estão disponíveis tanto para computadores como para tablets e smartphones.

No entanto, há websites que dependem unicamente da publicidade para o seu financiamento e manutenção. Assim, com o aumento exponencial do uso de ad blockers, há websites que começam a exigir a desativação dos mesmos para se obter acesso.

As vantagens do bloqueio da publicidade são várias: proteção da privacidade, melhor experiência de utilizador, diminuição das distrações, maior filtragem de malware, maior rapidez no carregamento das páginas.

No relatório da OberCom de 2017, Estudo AdBlocking e Publicidade – Uma causalidade anunciada, é referido que “a utilização de softwares de bloqueio de publicidade é uma realidade em crescimento, realidade essa provocada por factores que começam na publicidade intrusiva e muitas vezes considerada persecutória, no sentido em que segue o utilizador dos domínios online para onde quer que este vá.”

O conflito entre publicidade e ad blockers é paralelo – ou, até, o mesmo – ao entre utilizadores e publicitários. “Por outro lado, é referido que o consumidor alega o controlo das suas práticas de Internet como factor crucial para o uso do ad-blocking, capaz de lhe garantir privacidade, segurança, conforto de pesquisa e utilização directa, ao passo que o publicitário vê no ad-blocking um apocalipse anunciado de todo um sector, em função da quebra de relação tradicional entre o consumidor e o fornecedor, e os riscos comerciais que daí advêm, com repercussão na sustentabilidade dos sectores.”

Este e muitos outros exemplos de ameaças à atividade jornalística no cibermeio estarão em discussão no VI Congresso Internacional de Ciberjornalismo, que irá decorrer a 22 e 23 de novembro da Faculdade de Letras da Universidade do Porto.

 

 

Sofia Silva (Turma 1)

Este clique vai mudar a tua vida!

Se está a ler isto, é porque acabou de ser vítima do famoso fenómeno do clickbait ou, como se poderia designar em português, a caça ao clique. Este e outros conceitos, que ameaçam o jornalismo online, serão debatidos na sexta edição do Congresso Internacional de Ciberjornalismo.

É já nos dias 22 e 23 de Novembro que a Faculdade de Letras da Universidade do Porto abre portas à discussão deste assunto tão atual. O congresso irá contar com a presença de vários professores e investigadores de universidades sul americanas e ibéricas que prometem apurar o impacto das novas tecnologias e a influência do marketing no ciberjornalismo.

Mas o que é, afinal, o clickbait?
Esta técnica, que tem vindo a ganhar popularidade desde 2014, tem como intuito atrair visualizações, recorrendo a estratégias de marketing. Deste modo, criam-se títulos e imagens polémicas ou misteriosas para despertar a atenção dos leitores que, levados pela curiosidade, não resistem em “clicar” na notícia.

Não obstante, esta prática tem levantado bastantes questões éticas, por se considerar que manipula, por vezes, o leitor, induzindo-o em erro. O impacto foi tal que o Facebook anunciou que estava a tomar medidas para evitar o uso deste procedimento por parte dos difusores de informação.

Num mundo onde a veracidade e objetividade da informação jornalística é constantemente ameaçada, torna-se pertinente averiguar de que maneira é que técnicas como o clickbait põem um entrave na credibilidade do jornalismo digital.

O VI Congresso Internacional de Ciberjornalismo vai debater as ameaças a este tipo de jornalismo, nos dias 22 e 23 de novembro, na Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Assegura, ainda, que serão abordadas temáticas como as fake news, o imediatismo, o infotainment, o sensacionalismo, a publicidade intrusiva e muitos outros.

Catarina Moscoso
up201707467, turma 2