Arquivo de etiquetas: sociedade

Re-Food Gaia Centro celebra o 8º aniversário

No último dia 29 de outubro de 2022, realizou-se no Holiday Inn em Vila Nova de Gaia uma Reunião Pública para parabenizar os 8 anos da Re-Food Gaia Centro. O evento foi cheio de boa disposição, orgulho e perspetivas positivas para o futuro.

Fotografia: Andreia Aguiar

Em honra dos 8 anos de ação da Re-Food Gaia Centro, o núcleo gaiense organizou uma Reunião Pública para celebrar, conscientizar, agradecer e alertar para as necessidades da ONG.

O evento contou com a presença do fundador da missão, Hunter Halder, que fez questão de voltar a apresentar a mesma e o seu propósito. Foi visível a sua emoção ao relembrar como começou sozinho com a sua bicicleta pelas ruas de Lisboa, e foi vendo cada vez mais núcleos a serem criados. Atualmente, existem mais de 60 núcleos em Portugal, 1 em Madrid e 1 em Milão.

Fotografia: Andreia Aguiar

As coordenadoras, Sofia Pinto e Mariana Silva, alertaram para a necessidade urgente de um novo espaço para continuarem a missão. Sem ele, não é possível continuar a expandir o projeto. Foi pedida ajuda aos presentes, como já tem vindo a ser pedida ao longo dos últimos meses. Para mais informações relativas a este tópico, clique aqui.

Estiveram presentes alguns parceiros da Re-Food, tais como o El Corte Inglês, a ITAU e o Hospital Santos Silva. Não compareceram quaisquer representantes da Câmara de Gaia, mas a Junta de Freguesia de Mafamude fez questão de assinalar a sua presença através de um vídeo a parabenizar o trabalho de todos.

Fotografia: Andreia Aguiar

Não podia faltar a presença de diversos voluntários que fazem a missão continuar. “A Re-Food é um movimento 100% voluntário, democrático e sustentável”, reforça Hunter Halder, e parabeniza todos aqueles que dispõe do seu tempo para ajudar o próximo. Neste sentido, realizou-se também um apelo à necessidade de novos voluntários.

Para complementar as atividades, foram recolhidos excedentes de comida para os presentes consumirem no final, mantendo os valores do projetoO evento foi partilhado posteriormente através do Instagram do núcleo, agradecendo a presença e ajuda de todos.

Andreia Aguiar (up202108171)

Mais fotografias de Andreia Aguiar do evento:

 

Está a decorrer, até janeiro, a Maratona de Cartas da Amnistia Internacional

Até 31 de janeiro de 2023 decorre a Maratona de Cartas da Amnistia Internacional. Este evento sinaliza casos de violações severas dos direitos humanos e a adesão, a nível mundial, cresce anualmente.

Cartaz de divulgação da Maratona de Cartas 2022 da Amnistia Internacional
Fonte: Amnistia Internacional

Varsóvia, 2001. Aí começou a Write for Rights!, ou Maratona de Cartas, como é conhecida em português. Para marcar o Dia Internacional dos Direitos Humanos, celebrado a 10 de dezembro, alguns membros da Amnistia Internacional juntaram-se e escreveram mais de duas mil cartas, posteriormente entregues às autoridades, para alertar sobre injustiças relacionadas com os direitos humanos.

Desde então, todos os anos são sinalizados vários casos, nos quais os direitos humanos são severamente violados, e cada país define cinco deles para serem tratados e divulgados com particular atenção. Resultante desta dinâmica, vinte e um anos passados, a Maratona de Cartas da Amnistia Internacional tornou-se no maior evento mundial de ativismo.

Na edição passada, em Portugal, foram recolhidas mais de 125 mil assinaturas e quase 4.500 mensagens de solidariedade para cada caso. Já a nível internacional, houve cerca de cinco milhões de ações com vista à defesa dos direitos humanos. Fruto destes resultados, foram vários os avanços obtidos em diferentes casos.

Este ano, a Maratona de Cartas, que começou em Portugal a 1 de novembro, decorrerá até 31 de janeiro de 2023 e tem como tema central a liberdade de expressão, tantas vezes posta em causa. Assim, estão no centro desta ação os casos de Aleksandra SkochilenkoChow Hang-tungDorgelesse NguessanLuis Manuel e Nasser Zefzafi.

Ainda que cada petições tenha cerca de cinco mil assinaturas portuguesas, o objetivo nacional de 30 mil assinaturas por petição está longe de ser atingido. Por isso, por todo o país, durante estes três meses, as estruturas da Amnistia Internacional organizam atividades para divulgar a Maratona de Cartas e educar para os Direitos Humanos. As ações podem assumir diferentes formas e dirigem-se não só à população em geral, mas também a grupos específicos, ocorrendo tanto na rua como em escolas, universidades e até mesmo empresas.

Amnistia Internacional representada pelo GEUP-AI na Tomorrow Summit
Foto: Federação Académica do Porto

No Porto, a Maratona de Cartas será particularmente divulgada pelo Grupo de Estudantes Universitários do Porto, vinculado à Amnistia Internacional (GEUP-AI). Durante o mês de novembro, o GEUP-AI participou em várias iniciativas, com o intuito de alertar para a necessidade de salvaguardar os direitos humanos, tendo organizado uma palestra sobre a ocupação da Ucrânia e participado tanto na Tomorrow Summit como na Gala Solidária da AEFEUP.

Para continuar o trabalho a que se propôs junto da Amnistia Internacional – Portugal, o grupo de jovens ativistas dinamizará, no final do mês de novembro e durante o mês de dezembro, várias ações relacionadas com o movimento da Maratona de Cartas. No entanto, o ativismo está na mão de todos e é possível assinar as petições da Maratona de Cartas da Amnistia Internacional com poucos cliques.

Artigo por Mariana Parreira

A Livraria Lello compra cartas inéditas de amor do Bob Dylan por meio milhão de euros

A Livraria Lello é a nova propietária de 42 cartas de amor do Prémio Nobel de Literatura Bob Dylan. Os escritos serão exibidos a partir de 13 de Janeiro de 2023. A compra, que tomou lugar na última quinta-feira, foi por cerca de 520mil euros.

Bob Dylan é considerado um dos músicos mais influentes do século / Foto: Instagram do Bob Dylan

Esta quinta-feira (17 de novembro), na cidade de Nova Iorque, a Livraria Lello adquiriu 42 cartas de amor que o autor e músico Bob Dylan escreveu para a sua namorada, Barbara Ann Hewitt, na década dos 50. Os escritos serão revelados pela primeira vez ao público no dia 13 de Janeiro de 2023, dia em que a Livraria faz 117 anos. A compra tomou lugar por mais de meio milhão de euros.

Segundo um comunicado de imprensa da Livraria Lello, o conjunto de mais de 150 páginas revela diversos aspetos da vida pessoal do autor, entre os quais as suas intenções de mudar de nome e as suas aspirações como músico. Aurora Pedro Pinto, administradora da Livraria, destaca no mesmo comunicado que estão “felizes de trazer (as cartas) ao Porto, reforçando a oferta cultural para o território.” Pedro Pinto também afirma que o investimento dá continuidade a aposta da Livraria Lello no património literário e cultural.

O primeiro andar da Livraria Lello está dedicada a autores laureados com o Nobel / Foto: Instagram da Livraria Lello

A empresa norte-americana encarregada do leilão, RR Auction, coloca o valor final da compra em cerca de 643mil euros, depois de incluir a comissão de venda no preço de venda inicial. O conjunto de 42 cartas foi adquirido pelo dobro do valor pelo qual foi inicialmente colocado à venda, que foi aproximadamente 240 mil euros.

As cartas foram escritas no período entre os anos 1957 e 1959, na época em que Bob Dylan tinha 17 anos e ainda estava na escola secundaria. Ann Hewitt foi a proprietária das cartas até a sua morte em 2020.  Outros escritos do músico já tinham sido vendidos de forma individual, mas a RR Auction afirma que os proprietários do património de Ann Hewitt queriam vender as cartas como um conjunto.

Cabe destacar que, enquanto a Livraria Lello agora possui as cartas físicas, a editora de Dylan mantém os direitos autorais de todos os seus escritos.

A Livraria Lello, um dos destinos turísiticos mais populares do Porto, tem desde junho de 2021  uma instalação artística dedicada a autores laureados com o Prémio Nobel de Literatura. Na instalação, nomeada “Livraria Lello X Time: What Makes a Nobel?”, há uma secção dedicada ao Bob Dylan.

Robert Allen Zimmerman, mais conhecido como Bob Dylan, tem vendido mais de 125 milhões de discos em todo o mundo. Dylan recebeu o Prémio Nobel da Literatura em 2016, por ter “criado novas expressões poéticas dentro da tradição da música americana”, segundo o site dos prémios Nobel.

Tem interesse em visitar a exposição das cartas do Bob Dylan? Responda aqui. Disponibilizo o meu e-mail para qualquer dúvida, comentário ou sugestão: up202104285@up.pt

Artigo por Natalia Vásquez.

Greve: Metro do Porto sem serviços até dia 7 de dezembro

O metro do Porto estará condicionado no dia 7 de dezembro devido a greve do Sindicado dos Maquinistas. Nessa data as linhas azul, vermelha, verde, violeta e laranja não vão funcionar e apenas encontrará em circulação a linha amarela mas com circulações pontuais. Especificamente a estaçáo do Estádio do Dragão não funcionará por motivos de segurança.

Foto: Logótipo do Metro do Porto

No dia 7 de dezembro o serviço do metro no Porto volta a funcionar mas ainda com condiçoes precarias. A greve foi provocada, como diz em um comunicado, por conta da recusa da empresa ViaPorto aceitar as reivindicações dos Maquinistas da Metro do Porto. Segundo a SMAQ “a proposta de serviços mínimos da ViaPorto foi absolutamente absurda”.

A SMAQ ainda destaca que as medidas minimas podem dar a sensação de “serviço suficiente..” nos utentes “que na prática não ocorrerá, o que poderá provocar uma sobrecarga perigosa em estações, subterrâneas e à superfície, que manifestamente não estão dimensionadas para comportarem grandes multidões, colocando em causa a segurança dessas pessoas e do sistema de metropolitano.”.

No decorrer, o Metro do Porto publicou um comunicado a avisar que devido ao jogo da liga dos capeões no Estádio do Dragão, a “estação não terá, por motivos de segurança, qualquer serviço, permanecendo fechada.”

Para álem disso entre os dias 3 e 7 de dezembro a Metro do Porto disponibilizará um serviço de transportes alterativos para os que moram entre os segmentos da linha vermelha e verde. Segundo a empresa entre as 6H e 1H estarão disponiveis autocarros para os portadores do titulo de Andante com paragens entre a Póvoa de Varzim e a Senhora da Hora (Linha Vermelha), com paragens nas estações de Metro da Póvoa, Vila do Conde e Senhora da Hora. Bem como há um serviços de autocarros entre o Fórum Maia e o ISMAI.

Carolina Okumura

Câmara Municipal do Porto vai reabilitar “ilha” da Bela Vista

A Câmara Municipal do Porto anunciou hoje em comunicado a reabilitação de uma das suas “ilhas”, a Bela Vista. As obras começam ainda este ano.

Um estudo sobre as “ilhas” do Porto, promovido pela Domus Social permitiu conhecer melhor a dura realidade dos seus habitantes, analisando as condições de habitabilidade das casas e a situação socioeconómica dos moradores. O resultado aponta para a existência de 957 “ilhas” onde moram mais de 10 mil pessoas, muitas vezes em más condições.

A CMP espera agora que os proprietários das restantes “ilhas” procedam também à reabilitação das mesmas.

Diana Silva Oliveira

Detido suspeito por tentativa de homicídio no Seixal

Um homem de 20 anos foi detido pelas autoridades francesas por ser suspeito da alegada tentativa de homicídio que ocorreu no passado mês de março, na zona do Seixal.

O crime terá ocorrido numa estação de transporte ferroviário do Seixal, quando o presumível autor e um coautor se envolveram numa discussão com a vítima. As agressões envolveram uma arma branca e provocaram lesões graves no indivíduo, que foi, posteriormente, sujeito a uma intervenção cirúrgica e a internamento hospitalar prolongado.

O comunicado da Polícia Judiciária, publicado hoje no site oficial, informa que esta detenção surgiu na sequência da investigação levada a cabo pelo Departamento de Investigação Criminal de Setúbal, que provocou a emissão de um mandado de detenção europeu.

Após a detenção, as autoridades francesas extraditaram o suspeito, que foi entregue às autoridades judicárias competentes, tendo-lhe sido decretada a medida de coação de prisão preventiva.

Beatriz Brandão

 

Sociedade: Reabilitação das “ilhas” do Porto

O projecto “Domus Social” está a promover um levantamento sobre as “Ilhas” do Porto para melhor conhecer esta realidade no municipio.

Analisar as condições de vida destes moradores a nível da habitabilidade e analisar o seu estado económico atual são as principais missões deste estudo que vai ajudar a Câmara Municipal a definir uma estratégia de apoio a este grupo de cidadãos.

Ainda este ano, a “ilha da Bela Vista”, pertencente à própria autarquia, vai ser reabilitada, exemplo que esta espera ver adoptado por outros proprietários.

Atualmente, existem 957 “ilhas” na cidade, onde residem mais de 10 mil pessoas, muitas delas em condições precárias.

Bernardo Queirós