Arquivo de etiquetas: Brasil

Eleição Presidencial Brasil: Lula como principal figura

Os brasileiros vão às urnas em 2018 para escolher o sucessor de Temer. Lula da Silva é o favorito, apesar da sua ligação a vários casos de corrupção.

Foto:BETO BARATA/AGÊNCIA ESTADO/AE/Código

Os cerca de 144 milhões de eleitores inscritos vão escolher em 2018 o próximo Presidente do Brasil. Todos eles, porque neste país o voto é obrigatório.

Lula da Silva surge como figura principal entre o rol de potenciais candidatos, representando o PT. Lula assume o primeiro lugar da sondagem feita pelo instituto Datafolha, mas a Lei da Ficha Limpa poderá travar a sua candidatura. Esta lei prevê que pessoas condenadas em segunda instância não se podem candidatar à presidencia do Brasil.

O ex presidente ainda é alvo de investigações pelo caso do “Triplex do Guarajá”, que já lhe valeu uma condenação a 9 anos de prisão pelo juíz Sérgio Moro por corrupção e lavagem de dinheiro. O PT ameaçou boicotar as eleições caso a candidatura do ex presidente seja travada pela justiça.

Jair Bolnosaro (potencial candidato do PSC) e Marina Silva (REDE) surgem empatados no segundo lugar da mesma sondagem.

Quanto ao partido que está atualmente no poder – o PMDB de Temer – a mudança é certa, perante o já revelado desejo do atual presidente de não continuar na política após 2018. Este desejo é natural tendo em conta os seus valores de popularidade (segundo pesquisa do Instituto Datafolha, 61% consideram péssima a gestão do atual presidente).

Na fila da frente para se candidatar em representação do PMDB estão Henrique Meirelles (atual ministro da fazenda, que surge também como potencial candidato do PSD) e Germano Rigotto.

Os restantes partidos brasileiros (PSDB, PSB, Psol, PODE, PV, PR, PP, PPS, PEN, PDT e DEM) também ainda não definiram os seus candidatos à presidência.

Estas são as primeiras eleições desde o impeachment de Dilma Rousseff, que foi retirada do cargo por “pedaladas fiscais”: formas de “aliviar” as contas  do Governo, momentaneamente

O escolhido para a substituir foi o seu vice Michel Temer, tal como está previsto na constituição brasileira. De partido oposto, como é aliás habitual no Brasil, Michel esteve longe de ser uma figura consensual, sendo também investigado pelo Supremo Tribunal Federal.

Luís Miguel Rocha

Brasil: Lula regressa para o trono

Já falta menos de um ano para as eleições presidenciais no Brasil. No dia 7 de outubro de 2018, os brasileiros vão às urnas para a primeira ronda da eleição do presidente da República e dos governadores para os 26 estados.

Até agora só existem 4 declarações oficiais, mas são vários os rumores de possíveis candidatos. Lula da Silva,  Jair Bolsonaro,  Ciro Gomes e Alvaro Dias foram os primeiros a demonstrar intenção de ocupar o palácio do Planalto, residência oficial do Presidente do Brasil.

Lula da Silva 

A candidatura do antigo presidente está “por um fio”, porque o político foi condenado em Julho pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Se a segunda instância do processo tiver o resultado da primeira, Lula não pode manter a sua candidatura, devido à existência da Lei da Ficha Limpa, que rejeita a candidatura de condenados à presidência.

Independentemente das acusações, Lula da Silva encontra-se na liderança das sondagens até agora, com 30% das intenções de voto, segundo a pesquisa da Datafolha em junho deste ano. Representando o Partido dos Trabalhadores , existem rumores de que algumas partes do partido defendem um boicote caso Lula da Silva seja dado como culpado.

Jair Bolsonaro

Militar de reserva e com 27 anos de Congresso no seu currículo, Jair Messias Bolsonaro anunciou a sua pré-candidatura pelo PSC (Partido Social Cristão). Contudo, após desavenças com o partido, encontra-se à procura de outro apoiante.

Contudo, o candidato mostra-se confiante e em declarações à Revista VEJA, afirma ter esperança nas novas tecnologias. “As redes sociais terão um peso muito grande aqui no Brasil.(…) O horário gratuito tem a sua importância, mas está perdendo força.”

Em relação a ser considerado de extrema-direita, o político considera “um absurdo” e que a sua pretensão ao cargo de presidente é uma “missão de Deus”.

Ciro Gomes

Candidato pelo PDT (Partido Democrático Trabalhista), Ciro Gomes já anunciou a sua pretensão ao cargo desde dezembro de 2015. Desde então, tem viajado pelo país, a tentar unir os eleitores de esquerda em seu favor

Acerca da situação de Lula da Silva, Ciro afirmou ao jornal  Valor Económico que o antigo presidente “é  sombra de mangueira. Não nasce nada embaixo. Está errado”.

O presidente do PDT afirma que no partido há um grande apoio ao candidato, “a candidatura do Ciro foi confirmada por ampla maioria” e que “a população quer alguém que conheça a máquina e que já tenha sido testado.

No dia 28 de outubro do próximo ano descobre-se quem ocupará o palácio do Planalto, numa pré-campanha marcada por polémica e acusações de corrupção.

Ricardo Rodrigues

 

 

Brasil 2018: Eis os principais candidatos às eleições presidenciais

Vários candidatos têm sido apontados à presidência do Brasil em 2018. Enquanto a popularidade de Lula aumenta a olhos vistos, Jair Bolsonaro (PSC) e Marina Silva (Rede) não oferecem competição.

De acordo com a recente pesquisa eleitoral do Datafolha, Lula da Silva (PT) lidera o cenário político com 35% de intenções de voto, apesar de acusado e réu em processos ligados à Operação LavaJato.

Ainda que à distância, o candidato à presidência é seguido por Jair Bolsonaro (PSC) e Marina Silva (Rede). A Bolsonaro e Marina Silva é apontado um impacto técnico,  ele com cerca de 16% a 17% de intenções de voto, ela com valores entre 13% e 14%.

Lula da Silva (PT)

O nome mais sonante é Lula da Silva, considerado a maior força eleitoral para as eleições de 2018. O ex-presidente encontra-se a meio de um processo judicial e espera a decisão do Tribunal Regional da 4º Região (TRF4), após a condenação de Sérgio Moro a 9 anos e meio de prisão por suposta prática de lavagem de dinheiro e corrupção passiva. Confirmada a condenação, o candidato fica impedido subir novamente ao palco político e obrigado a cumprir a pena em regime fechado.

Se Lula for efetivamente condenado, torna-se inelegível para concorrer devido à Lei “Ficha Limpa”, que impede condenados pela segunda instância de participarem nas candidaturas à presidência. Se não for condenado pela segunda instância, o candidato passa a ser Presidente do Brasil pela terceira vez.

O Partido dos Trabalhadores (PT) tem que pensar em alternativas para o substituir caso Lula não consiga concorrer. Contudo, nem Fernando Haddad, ex prefeito de São Paulo,  nem Jaques Wagner têm a força política e o impacto que o antigo presidente brasileiro detém.

O Diretor do Datafolha, Mauro Paulino, afirmou numa conversa em tempo real no Facebook do EL PAÍS haver uma tendência para a “tolerância com a corrupção mas uma tolerância pragmática, desde que se entregue benefícios sociais”,  em referência ao trabalho de Lula nas camadas mais pobres do Brasil.

Em declarações à BBC Brasil, o PT afirma que se a candidatura de Lula for impedida o partido vai fazer boicote, por se tratar de “uma fraude nas eleições”.

Jair Bolsonaro (PSC)

Não é só Lula que se encontra em problemas com a justiça: Bolsonaro também é réu no Supremo Tribunal Federal sob a acusação de incitação à violação. Em dezembro de 2014, Jair Bolsonaro disse à deputada Maria do Rosário (PT-RS) que só não a violaria porque ela “não merecia”. Caso os ministros condenem o parlamentar, também ele se torna inelegível.

Para além do escândalo de incentivo ao abuso sexual, Bolsonaro é conhecido pelo conservadorismo e valores cristãos da sua campanha e não é bem visto pela comunidade gay. O candidato do PSC votou contra as reformas de trabalho e da segurança social de Temer e os níveis de rejeição podem vir a prejudicar a sua campanha. Já o jornal americano Quartz classificou Bolsonaro como um “Trump Brasileiro”.

Marina Silva (Rede)

Marina Silva (Rede) registou cerca de 20 milhões de votos desde a última eleição presidencial enquanto candidata do PSB, mas a sua ausência no debate político pode consistir na maior fragilidade da candidatura atual. Embora tenha sido a terceira colocada nas eleições presidenciais de 2014, os especialistas acreditam que Marina não vai ganhar mais protagonismo político no próximo ano.

Estão ainda na corrida às presidenciais Joaquim Barbosa (sem partido), Geraldo Alckmin e João Doria do PSDB, Fernando Haddad (PT), Ciro Gomes (PDT-CE) e Alvaro Dias (Podemos-PR).

As eleições gerais brasileiras ocorrem nos dias 7 de outubro (1º volta) e 28 de outubro (2º volta) do próximo ano.

Maria João Duarte

Presidenciais brasileiras 2018: Lula da Silva lidera as intenções de voto

A um ano das eleições presidenciais brasileiras, o ex-presidente, Lula da Silva, leva vantagem sobre os restantes candidatos nas sondagens realizadas até agora.

Luiz Inácio Lula da Silva, antigo presidente brasileiro, é o principal candidato à presidência do Brasil. Mesmo após a condenação no caso Lava Jato, Lula da Silva lidera as sondagens das eleições que vai decorrer em outubro de 2018.

O candidato do Partido Trabalhista aparece nas sondagens realizadas pelo Datafolha com uma vantagem de cerca de 20 pontos percentuais em relação a Jair Bolsonaro, do Partido Social Cristão. Na terceira posição, apresenta-se Marina Silva, candidata do partido Rede Sustentabilidade, com percentagem ligeriamente inferior à de Bolsonaro.

Os mais de 140 milhões de eleitores estimados continuam a acreditar no antigo presidente, mesmo após a sua condenação de nove anos e seis meses de prisão, em julho de 2017, por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no processo Lava Jato.

O Brasil vive uma situação política complicada. Além de Lula da Silva, o processo Lava Jato envolve também a ex-presidente Dilma Rousseff. Esse caso levou ao Impeachment, que resultou na queda de Dilma e fez ascender Michel Temer ao cargo de presidente do Brasil.

A presidência de Temer também não foi pacífica. Em nenhum ministério existiam mulheres ou afro-brasileiros. Temer acabou por ser, igualmente, denunciado ao Supremo Tribunal de Justiça por suspeita de corrupção passiva.

Em plena crise política, no Brasil, o voto é obrigatório para todos os cidadãos com idades entre os 18 e os 65 anos. Para as pessoas com idades entre os 16 e os 18 anos e com mais de 65 anos é opcional.

A primeira volta das eleições presidenciais brasileiras estão agendadas para o dia 7 de outubro de 2017, enquanto a segunda volta está marcada para o dia 28 do mesmo mês.

 

Rui J. Costa