Aquivos por Autor: turma3

Legislativas 2019: Rates (Porto) mantém-se fiel ao laranja

Rates, freguesia da Póvoa de Varzim, dá novamente vitória ao PSD. Círculo Eleitoral do Porto rende-se aos Socialistas. Vitória nacional do PS.

Com  51,56% dos votos, Rates dá novamente vitória aos Sociais Democratas, contribuindo assim para a eleição de 15 deputados do PSD, no círculo do Porto. A freguesia é fiel ao PSD desde que há memória, porém o resultado destas Legislativas contrasta com o de 2015, ano em que coligação do PSD com o CDS convenceu 69,68% do eleitorado.

Em segundo lugar ficou o PS com 23,42%, seguindo-se o CDS (9,92%), o Bloco de Esquerda (5,03%) e o PAN (1,91%). Nenhum dos restantes partidos obteve mais de 1,5% dos votos. Contabilizaram-se, ainda 2,14% de votos Brancos e 0,99% de Nulos, numa terra em que a adesão às Urnas foi de 59,26%.

O Concelho da Póvoa de Varzim mantém a cor laranja em todas as freguesias, contrastando com o resultado distrital que dá a vitória aos Socialistas por 5,49 pontos percentuais sob o PSD de Rui Rio.

A nível nacional, a vitória é do PS, mas António Costa não alcança a maioria absoluta.

Mariana Figueiredo

 

 

Legislativas 2019: PSD continua a liderar na Póvoa de Varzim, Beiriz e Argivai (Porto)

No domingo, os eleitores residentes na união de freguesias da Póvoa de Varzim, Beiriz e Argivai voltaram a colocar o PSD no topo da tabela e contrariaram os resultados nacionais.

O PSD venceu nesta região com 6338 votos (37,19%), seguindo-se o PS com 5155 (30,25%), o BE com 1649 (9,94%), o CDS-PP com 867 (5,09%), a CDU com 707 (4,15%) e o PAN com 539 (3,16%).

Em comparação com os dados apurados no ano de 2015, o PAN teve um enorme crescimento, o PSD, apesar de continua a liderar, diminuiu o número de votos obtidos (em 2015 o partido estava coligado com o CDS-PP) e nos restantes partidos não foi notório um grande desvio. Por outro lado, tanto a abstenção como o número de votos nulos e em branco aumentaram.

O ato eleitoral por parte dos cidadãos da Póvoa de Varzim, Beiriz e Argivai contribui para que, no distrito do Porto, se elegessem 17 deputados do PS, 15 deputados do PSD, 4 deputados do BE, 2 deputados da CDU, 1 deputado do PAN e por fim, 1 deputado do CDS-PP.

Nas últimas eleições legislativas, em relação ao Porto, a força política que venceu foi o PSD, com o direito de eleger 17 deputados, de seguida o PS com 14, o BE com 5 e a CDU com 3. Os resultados distritais podem ser consultados aqui.

A nível nacional, o PS venceu novamente as eleições legislativas, mas deste vez sem maioria absoluta.

 

Ana Coelho

Legislativas 2019: PSD mantém liderança em Canelas, freguesia de Penafiel (Porto)

Os resultados das eleições mostram a vitória do PSD com 43,80% na freguesia de Canelas em Penafiel. Em segundo está o PS e em seguida o RIR (Reagir Incluir Reciclar).

As eleições legislativas de 2019 tornam a ter uma predisposição mais para a direita em Canelas-Penafiel, tendo o resultado sido a vitória do PSD com 364 votos. O PS fica em segundo apenas com 29,60% alcançando 246 votos. Em terceiro, destaca-se o RIR (Reagir Incluir Reciclar) com 6,86%, tendo conseguido 57 votos.

O partido do conhecido da freguesia Tino de Rans alcança assim o terceiro lugar. O mesmo não aconteceu com as legislativas de 2015, onde esse lugar pertencia ao Bloco de Esquerda (BE) que apurou 5,45%, o que equivaleu a 48 votos. Mas a liderança manteve-se, neste caso, com a coligação Portugal à Frente, dando destaque ao PSD e CDS-PP que conseguiram 57,32%, isto é, 505 votos. Em segundo lugar ficou o PS apenas com 23,72%, alcançando 209 votos.

No círculo eleitoral do Porto, onde esta freguesia se incorpora, os resultados foram diferentes. A maioria dos votos pertence ao PS com 36,65%, tendo eleito 17 deputados, entre eles Alexandre Quintanilha e Maria de Carvalho. O PSD está em segundo lugar com 31,16% conseguindo eleger 15 deputados, sendo Hugo de Carvalho e Rui Rio os seus principais.

Os resultados continuam com o terceiro lugar ocupado pelo Bloco de Esquerda (BE) que com os seus 10,12% elege a deputados, a cabeça de lista Catarina Martins, José Soeiro, Luís Monteiro e Maria Rola. O PAN consegue eleger um deputado devido ao seu resultado de 3,46%, sendo ele a deputada Bebiana Cunha. O CDS-PP consegue 3,34% o que equivale a um deputado, neste caso a cabeça de lista do partido no Porto, Cecília Graça.

Em 2015, os resultados no círculo eleitoral do Porto foram distintos. A coligação Portugal à Frente que juntava PSD e CDS-PP teve a maioria com 39,59%, elegendo 17 deputados. O Partido Socialista (PS) alcança o segundo lugar com 32,72%, conseguindo eleger 14 deputados. O Bloco de Esquerda manteve o seu terceiro lugar, com 10,12%, tendo eleito 4 deputados. E, por último, estava a coligação CDU com os partidos PCP e PEV com 6,83%, elegendo 1 deputado.

Patrícia Ferreira Martins

Legislativas 2019: PS vence na freguesia de São Cosme

Numa Reviravolta, PS vence na freguesia de São Cosme no concelho de Gondomar que nas eleições anteriores deu vitoria ao PSD.  Dos mais de 40 mil inscritos somente 24 mil foram exercer o seu direito de voto.

Concelho de Gondomar

Freguesia de São Cosme, Valbom e Jovim

Os resultados são claros, o PS foi o grande vencedor das eleições na freguesia de São Cosme com 35% (8,604 votos) deixando para trás o seu maior adversário o PSD com 29% (7,154 votos). Logo de seguida o Bloco de Esquerda com 12% (2,869 votos), o PCP-PEV 6,72% (1,660 votos) o PAN que de 1,83% (458 votos) nas anteriores eleições chega aos 4,19% (1,036 votos)  ultrapassando o CDS-PP com 2,68% (662 votos).  Os novos partidos que conseguiram o assento parlamentar na Assembleia da Republica, a Iniciativa Liberal, o LIVRE e o CHEGA não ultrapassaram os 2% dos votos.

São Cosme não foi  exceção a regra relativamente ao número de pessoas que não foram votar.  Em 2015 a percentagem era de 60,88% votos que passou para  58,88% votos. É importante frisar que o número de inscritos aumentou nessas eleições acompanhando o resto do país. Na Freguesia o aumento não foi tão significativo, de  41,458 para 41,970 inscritos. Os votos nulo e em branco aumentaram também nessas eleições de 4% (952 votos) para 5% (1,097 votos).

No circulo eleitoral do Porto o PS também foi o grande vencedor. Conseguiu 37% dos votos elegendo então novos 3 deputados (de 14 para 17). O PSD com 31,16% perdeu 2 deputados (de 17 para 15). O Bloco atingiu os 10,12% dos votos e perdeu 1 deputado ( de 5 para 4). O PCP-PEV também perdeu 1 deputado com 4,80% de votos os comunistas passaram de 3 a 2 deputados para essa legislatura. O PAN (3,46%)  é a grande surpresa da noite ultrapassando o CDS- PP (3,34%) no número de votantes e pela primeira vez consegui eleger uma deputada (Bebiana da Cunha). O CDS-PP também elegeu uma deputada (Cecília Graça). O iniciativa Liberal, LIVRE e o Chega não ultrapassaram os 2%. A afluência as urnas foi menor nesta eleição de 58,59% contra os 60,30% de 2015.

Eduardo Jorge Moreno

Legislativas 2019: PS obtém uma clara vitória em Loulé (S. Clemente)

O PS sagrou-se o vencedor das eleições legislativas, tendo alcançado 36,65% dos votos a nível nacional. No distrito de Faro, o partido de António Costa continua a manter-se na dianteira, vencendo em todos os 16 concelhos algarvios. Loulé (S. Clemente) não é exceção: o PS obteve uma clara vitória, com 39% dos votos.

 

O partido socialista destacou-se, ontem, nas eleições legislativas. Na freguesia de Loulé (S. Clemente), os resultados eleitorais foram claros: o PS conquistou 39% dos votos, seguido do PSD com 22.19% e do Bloco com 11,90%.

Comparativamente às eleições de 2015, os sociais-democratas foram os que sofreram a maior diferença, tendo obtido um decréscimo de 10,97%. O PS melhorou visivelmente (obteve mais 198 votos) e o PAN trocou de posição com a CDU, surgindo em quarto classificado com quase o dobro do seu número de votos alcançado em 2015.

Os resultados do distrito eleitoral de Faro não foram uma novidade, já que há 20 anos que o PS não perde a supremacia na região. O partido conseguiu eleger 5 deputados para o Parlamento, nomeadamente Jamila Madeira, José Apolinário, Luís Graça, Jorge Botelho e Joaquina Matos. O PSD elegeu Cristóvão Norte, Rui Cristina e Ofélia Ramos, enquanto o BE leva João Vasconcelos como seu representante. Ao todo, são 9 os mandatos pelo círculo eleitoral mais a sul do país.

A CDU e CDS perderam ambos a sua representação parlamentar, enquanto o PAN, apesar de ter aumentado o número de votos, não atingiu os suficientes para cumprir o seu objetivo de eleger um deputado.

Ainda que tenha sido inferior à média nacional, a abstenção da população algarvia também foi acentuada: mais do que metade da população se absteve do seu direito cívico (54,66%).

 

Nina Muschketat

PSD continua a ser o partido mais votado em Rebordãos (Bragança)

PSD continua a ser o partido mais votado em Rebordãos (Bragança)

Adão Silva, Isabel Lopes, Jorge Gomes

A freguesia de Rebordãos, concelho e distrito de Bragança, dá uma vitória ao partido social democrata (PSD) com 97 dos 198 votos. A abstenção foi de 62,4% havendo um acréscimo de 2,5% relativamente às eleições legislativas de 2015. Além dos 350 eleitores que não votaram, houve ainda 3 votos nulos e 10 votos brancos.  

A seguir ao PSD, que obteve quase 46% dos votos, surge o Partido Socialista com 30,33% (34 votos), tornando-se a segunda força política mais votada. Com percentagem de voto entre os 3,3 e os 3,8% ficaram o Bloco de Esquerda, CDS-PP e PAN. As restantes forças políticas tiveram votos abaixo dos 5.

Nesta freguesia o cenário mantém-se idêntico aos das eleições legislativas de 2015, onde o PSD também arrecadou 48,1 % dos votos. Apesar de se manter na linha da frente, este ano o partido perdeu 12 votos nesta freguesia, enquanto o PS teve mais 9 do que em 2015, onde teve 55 votos (24,1%). A abstenção em Rebordãos verificou um aumento de 2,5% relativamente às últimas eleições legislativas, assim como os votos em branco que aumentaram 1,2%.

A maior diferença em destaque diz respeito ao terceiro partido mais votado, o CDS, que, apesar de manter a sua posição, obteve menos 8,2% dos votos passando de 27 a 8. O BE mantém-se, tal como em 2015, na quarta posição, não havendo mudanças significativas. Já como quinta força política mais votado encontramos o PAN que, em 2015 aparecia apenas em décimo lugar.

O distrito de Bragança volta a dar a vitória ao PSD, cenário que só não se verificou nas legislativas de 2005. Assim, os 3 deputados para a Assembleia da República que Bragança pode eleger vão ser, de novo, dois sociais democratas e um socialista. Os lugares serão ocupados novamente por Adão Silva (PSD) e por Jorge Gomes (PS), antigo secretário de Estado da Administração Interna. O terceiro lugar é ocupado pela estreante Isabel Lopes do PSD.

Neste círculo eleitoral os sociais democratas conseguiram a sua votação maios expressiva a nível nacional com cerca de 41% dos votos. O distrito perdeu cerca de seis mil eleitores desde as legislativas de 2015, tendo também havido um aumento da abstenção que agora é superior a 55%.

O PSD contou com 25909 votos, mas este número não pode ser comparado com o das legislativas de 2015, altura em que o partido concorreu coligado com o CDS-PP. Já o PS teve uma maior percentagem de voto relativamente a 2015, mas perdeu cerca de 500 votos ficando com 23215 votos.

Como quarta força política mais votada surge o CDS-PP com 2831 votos, ficando atrás do Bloco de Esquerda com cerca de 3800 votos como tinha acontecido em 2015. A CDU perdeu 789 votos, enquanto o PAN obteve mais 445 do que há quatro anos. O CHEGA contou com 533 votos, o RIR com 313, o PCTP/MRPP com 313 e o Aliança com 309. Os restantes partidos tiveram menos de 300 votos.

O PSD manteve assim a sua hegemonia no distrito de Bragança e na freguesia de Rebordãos com mais de 40% dos votos.

 

Marta Pires- Turma 3

LEGISLATIVAS 2019: PSD lidera no Bonfim

O Bonfim, no distrito e concelho do Porto, à semelhança do resto do país, teve uma abstenção elevada. Mas, ao contrário do resultado nacional, a supremacia foi dos sociais democratas. 

O PS manteve a liderança a nível nacional, com 106 mandatos, seguido do PSD, com 77. O Parlamento depara-se com um número recorde de dez partidos, dos quais três são estreantes: Chega, Iniciativa Liberal e Livre, elegeram um deputado cada. Entre os 230 deputados, que também incluem representantes do BE, PCP-PEV , CDS-PP e PAN, existem caras já usuais, mas também personalidades jovens e novas.

No distrito do Porto a orientação partidária mantém-se. Os socialistas conseguem 17 candidatos eleitos, dos quais se destaca Alexandre Quintanilha e Ana Paula Vitorino, como presenças assíduas e participativas em reuniões plenárias.

Por seu turno, os sociais democratas têm 15 candidatos efetivos, nomeadamente Hugo Daniel Carvalho e, em segundo lugar da lista, Rui Rio, ex-Presidente da Câmara do Porto.

O distrito salva ainda quatro assentos para os bloquistas – o primeiro para Catarina Martins – dois para a coligação de esquerda PCP-PEV, e os restantes dois para o CDS-PP e o PAN, que há quatro anos não tinha conseguido nenhum mandato no Porto, mas agora apresenta Bebiana Cunha.

 

Na freguesia do Bonfim, a abstenção foi de quase 40%, apesar do boletim ter aumentado o número para 21 opções partidárias. Com quase 22 mil inscritos, apenas 13 mil se dirigiram às urnas, o que evidencia um decréscimo de 1% na aplicação do direito ao voto.

À semelhança de 2015, a direita liderou na freguesia. Há quatro anos, a coligação PPD/PSD.CDS-PP arrecadou 38% dos votos e, nestas legislativas, voltou a encabeçar com 32% – sendo que o partido de Assunção Cristas apenas atingiu os 3%, assegurando o sexto lugar do Bonfim.

Os socialistas mantém o segundo lugar, com menos 570 votos, e a restante hierarquia permanece semelhante. O BE, PCP-PEV, PAN e Livre – que agora se apresenta sem estar coligado – reservam os lugares que se seguem, todos com uma subida no número de votantes, à exceção da coligação, que perdeu 300 votantes.

Inês Sincero

Legislativas: em Rio Tinto “manda” o PS

PS lidera em Rio Tinto com cerca de 37% dos votos, mais 3% do que em 2015. A abstenção ronda os 42%. Dos 45.473 inscritos, apenas 26.462 preencheram o boletim de voto.

Num dia de eleições marcado pela grande taxa de abstenção, foi o Partido Socialista quem “cantou” vitória. A nível nacional, o PS conquistou cerca de 37% dos votos, mais 5% do que em 2015. Em segundo segue-se o PSD, que conta apenas com 28%, uma queda de 9% em relação a 2015. Com cerca de 10% dos votos segue-se o Bloco de Esquerda, a CDU com 7% , o CDS com 4% e o PAN com 3%.

Na freguesia de Rio Tinto, do concelho de Gondomar, a tendência manteve-se. O PS arrecadou 37% dos votos, mais 11% do que o PSD. Tal diferença entre os dois “grandes” da política em Portugal poderá explicar-se com a recente instabilidade associada ao Partido Social Democrata.

 

O PSD e o CDS-PP são assim os grandes derrotados da noite. Os sociais democratas passam de 89 para 77 lugares no parlamento. O CDS-PP conta apenas com 5, menos 13 que em 2015.

No sentido contrário, o PS elege 106 deputados para a Assembleia da República, mais 20 do que em 2015. O Bloco de Esquerda conta com 19 representantes, a CDU com 12 e o PAN com 4.

De salientar também a emergência do Chega, da Iniciativa Liberal e do Livre, que passam a ter direito a uma cadeira na assembleia da República.

O PS é, ainda que sem maioria absoluta, o grande vencedor destas eleições e espera-se que forme coligação com os partidos mais voltados à esquerda.

 

Luís Guedes

 

 

Legislativas 2019: PS vence em Mafamude (VNG, Porto)

Com 36,86% dos votos no PS, freguesia de Mafamude no concelho de Vila Nova de Gaia, distrito do Porto, altera padrões das eleições passadas.

Foto do Diário de Notícias – Life

Os resultados parciais das eleições já foram divulgados no website oficial das legislativas, a ter no momento 98,98% de apuração de todas as freguesias – a faltar apenas os 32 consulados.

Na freguesia de Mafamude, em Vila Nova de Gaia, concelho do Porto, 36,86% dos votos em 2015 foram do PPD/PSD.CDS.PP; já em 2019, PS venceu com a maioria esmagadora de votantes com 33,44% dos votos desta freguesia, correspondente a 8.885 votantes. Seguido do PPD/PSD com 29,28% e B.E com 13,69%.

As abstenções atingiram valores recordes nacionalmente com 45,50% de eleitores não-votantes, seguido de 2,54% de votos brancos e 1,74% de votos nulos no total até o dado momento.

O Diário de Notícias divulgou um infográfico em que mostra as porcentagens de votos nos partidos em relação à 2015. Nacionalmente, o PS fica novamente no “pódio” com 36,65% dos votos neste ano com 106 deputados eleitos, aumentou consideravelmente em comparação aos 32,38% em 2015 com 85 deputados eleitos.

 

Artigo de autoria de Giulia Pedrosa (Turma 03)

Legislativas 2019: PS vence em Mafamude e Vilar do Paraíso (Porto)

O Partido Socialista marcou posição nas freguesias de Mafamude e Vilar do Paraíso, contando com 8,885 votos dos 26,567 totais na região gaiense.

O partido liderado por António Costa manteve a tendência em Vila Nova de Gaia, ao liderar o número de votos em Mafamude e Vilar do Paraíso com 33%, seguido do Partido Social Democrata com 29%, do Bloco de Esquerda com 13% e do Partido Comunista Português com 5,9%. No concelho, o PS só não ganhou na freguesia de Arcozelo. onde o PSD assumiu o posto.

Fazendo uma ligação com as  legislativas de 2015,  o PSD perdeu força para o PS, ao passar de 9,876 votos para 7,780, o B.E e o PCP consolidaram a sua posição e o PAN ganhou alguma expressão conseguindo dobrar o número de votos.

No círculo eleitoral do distrito, no total foram eleitos 40 deputados, entre os quais 17 são do PS, 15 do PSD, 4 do BE, 2 da CDU, 1 do PAN e do CDS-PP. Destes, destacam-se Rui Rio do PSD, Catarina Martins do BE, Cecília Meireles do CDS-PP, Bebiana Cunha do PAN e Alexandre Quintanilha do PS.

É de realçar que dos 46,495 eleitores inscritos apenas 26,567 votaram, o que representa 57% constrastando com os 60% nas últimas legislativas. Destes 46 mil votos, 568 foram em branco e 376 foram nulos. A nível nacional apenas 5 milhões votaram representando 54%, constrastando com os 5,4 milhões que votaram em 2015.

 

Miguel Freitas