Aquivos por Autor: turma1

Walking Art Maps: caminho para a arte

A exposição Walking Art Maps – As Belas Artes e a Cidade encontra-se a decorrer até dia 14 de janeiro de 2023, no Pavilhão de Exposições da Faculdade de Belas Artes de Universidade do Porto (FBAUP) e numa plataforma online de apoio à exposição.

Derivada à comemoração dos 35 anos do programa Erasmus+, a exposição Walking Art Maps – inaugurada no passado dia 26 de outubro – estende a sua exibição até dia 14 de janeiro de 2023. As peças de arte expostas encontram-se espalhadas pela cidade do Porto e podem ser facilmente encontradas em espaços públicos e privados.

O público alvo são os estudantes internacionais e, claro, todos os que procuram conhecer um pouco mais da vertente artística da cidade invicta. O fator diferenciador desta exposição prende-se com a existência de uma plataforma online, onde é possível encontrar um total de 6 percursos repletos de arte e desenhados de forma a que o visitante descubra obras de artistas, arquitetos e designers de várias gerações das Belas Artes do Porto. Estes 6 itinerários atravessam alguns dos mais emblemáticos lugares do Porto e proporcionam uma experiência única a quem os deseja seguir. Para além disso, o projeto torna-se ainda mais dinâmico ao convidar todos os participantes a utilizar o hashtag #asbelasasrteseacidade como forma de partilhar das suas descobertas.

A Walking Art Maps está aberta ao público entre terça-feira e sábado, das 14h00 às 18h00 e de segunda-feira a sexta-feira , entre as 10h00 e a 13h00. Contudo, necessário fazer uma marcação antecipadamente através do correio eletrónico do museu da FBAUP – museu@fba.up.pt. Aproveite, a entrada é livre!

Pavilhão de Exposições da Faculdade de Belas Artes de Universidade do Porto – Avenida Rodrigues de Freitas, 265 4049-021 Porto

Marta Marques

Fonte primária: https://noticias.up.pt/eventos/walking-art-maps-exposicao/

Portugal entra no mundial a vencer

Na Copa do Mundo de 2022, no Catar, Portugal derrotou Gana por na estreia da seleção.

Portugal estreou-se no Mundial do Qatar 2022 esta quinta-feira, 24 de novembro, frente ao Gana, no Estádio 97 . Foi a oitava participação dos portugueses no Mundial. Portugal e Gana já se enfrentaram na última partida das duas seleções do Grupo G da Copa do Mundo no Brasil, em 26 de junho de 2014. Foi também a despedida das duas seleções daquele Mundial.
O golo da seleção nacional foi apontado por Cristiano Ronaldo de grande penalidade aos 65 minutos, João Félix aos 78 minutos e Rafael Leão aos 80 minutos. André Ayew e Osman Bukari marcaram aos 73 e 89 minutos para o presidente ganês.
Com esta vitória, a seleção nacional lidera o subgrupo H com 3 pontos na partida. Gana é a última colocada com 0 pontos, também devido ao empate entre Coreia do Sul e Uruguai.

Quase quatro milhões de pessoas assistiram ao primeiro jogo de Portugal no Mundial de 2022, no Qatar, frente ao Gana, transmitido pela TVI e segundo a Universal McCann (UM), foi o jogo mais visto até à data.

A seleção pressionou Gana desde o início com um alto índice de posse de bola, enquanto Otavio, Bruno Fernandes e Ruben Neves causaram pânico.

O segundo tempo começou com o ganês Kudus testando a reação de Diogo Costa, mas o capitão português marcou um penálti logo depois, quebrando o recorde e tornando-se o primeiro jogador a marcar em cinco finais de Copa do Mundo.

Gana não desistiu e empatou aos oito minutos por iniciativa do capitão André Ayew. No entanto, os portugueses responderam rapidamente, com João Félix a fazer o melhor seguimento após um passe soberbo de Bruno Fernandes.

Animados com a vantagem, a time portuguesa atacou Gana e marcou mais um golo com assistências de Rafael Leon e Bruno Fernandes.

Portugal venceu por 3 a 1 com Ousmane Bukari diminuindo a diferença para Gana a um minuto do fim, aos 90 minutos.

Ronaldo

Na primeira partida da quinta Copa do Mundo da carreira do capitão português, ele se tornou o primeiro jogador da história a marcar em cinco finais de Copa do Mundo.

Yula Giralt

Portugal e a saúde mental: “A oferta é ainda bastante limitada”

As lacunas têm influência direta nos tempos de espera e nos preços, que “não são para qualquer carteira”.

Num contexto de atualidade em que a saúde mental se torna cada vez mais necessária, a Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor (Deco Proteste) analisou o Sistema Nacional de Saúde no que diz respeito à sua ineficiência e falta de investimento em serviços de apoio mental pelo país.

“O SNS tem de responder às necessidades dos portugueses.”

De entre os dados analisados, ressaltam negativamente os tempos médios de espera que ultrapassam muitas vezes até os prazos definidos por lei. São vários os hospitais que, para doentes prioritários, contam com mais de 60 dias de espera e, para doentes “normais, mais de 150.

Indica ainda que uma das possíveis razões para os atrasos em consultas é derivada à má distribuição de profissionais que estão, claramente, em discordância com a média recomendada de um psicólogo para cada cinco mil habitantes (média estimada pelas organizações internacionais de saúde).

Fonte: Deco Proteste

Também foram analisados os serviços privados como alternativa à insuficiência dos serviços públicos. Contudo, a Deco Proteste refere que esta é inacessível a muitos portugueses. Não só as vagas são também limitadas, como os preços são altos, podendo variar entre 20€ e 100€ por consulta, tonando-se, para muitos, inpensáveis, sobretudo quando visto face ao seu tratamento que é, por norma, prolongado.

Acede ao link da notícia da Deco Proteste para saberes mais: aqui: https://www.deco.proteste.pt/saude/doencas/noticias/saude-mental-doente-muito-prioritario-espera-tres-meses-consulta-psiquiatria

Entra em contacto e partilha a tua opinião através do e-mail:

saradpsantos1@gmail.com

Notícia por: Sara Santos

 

 

O Palácio de Cristal é invadido pelo espírito Natalício na cidade Invicta

O Natal está quase aí e o Porto traz um programa gratuito dedicado à época com atividades no Palácio de Cristal, entre dia 1 e 24, marcado pela atuação de artistas bem conhecidos do público.

Foto: Câmara Municipal Porto

O “Palácio de Natal” vai ser o foco dos festejos Natalícios na Invicta. Com eventos e atividades para toda a família, este programa inicia-se no dia 1 de dezembro e termina no dia 24 de dezembro, decorrendo aos fins de semana e feriados, com a abertura às 10h30 e fecho ao final da tarde.

Espera-se muita animação e alegria, celebrando o melhor que o Natal tem para oferecer a todas as faixas etárias, desde os mais pequenos às idades mais avançadas, com atividades planeadas para todos: música, oficinas, um mercado de Natal e muitas surpresas à mistura.

As atuações de Bárbara Bandeira (1 de dezembro), Rui Massena Ensemble (3 de dezembro), Saint Dominic’s Gosper Choir (11 de dezembro) e Nuno Lanhoso e Os Quatro e Meia (17 de dezembro) marcam um lugar de destaque na programação deste Natal, com entrada livre. Todos os concertos irão correr no Palco Principal (em frente ao Super Bock Arena) e iniciam às 18h00, com a exceção dos espetáculos de dia 17 que começam às 17h00.

O programa inclui a existência de dois espaços cobertos dedicados a distintas atividades: a Tenda de Neve, o local definido para a presença de atores, palhaços, contadores de histórias, músicos, mágicos, bailarinos e um caricaturista. A Tenda de Cristal, onde se situam as oficinas de Natal, será dedicada a todos que querem participar de uma forma mais ativa nas distrações, tendo a oportunidade de escrever cartas ao pai Natal, criar sabonetes, velas, enfeites marionetas e ainda tocar percussão.

Também na Tenda de Neve e na Concha Acústica, os espetáculos de bandas de jazz e cores tradicionais tornam, estes lugares, ainda mais atrativos no programa.

Além destas duas zonas, a Avenida das Tílias irá ganhar um encanto próprio com o Mercado de Natal cujo foco será o artesanato e produtos alimentares. Ao lado, a Casa do Pai Natal, vai contar com esta personagem lendária para conviver com os visitantes que por lá passarem.

Fora do Palácio de Cristal, a magia natalícia vai chegar a diferentes pontos do Porto. Nos sábados que antecedem o Natal (dia 3, 10 e 17), as freguesias da cidade serão invadidas por fanfarras e muita alegria. No Mercado do Bolhão (dia 3 e entre dia 19 a 23), espetáculos de vários tipos estão na base do programa, com realce para a atuação de Ópera de Bolso.

Para todos os apreciadores de pop nacional, está aí o Porto Sounds Secrets e traz consigo atuações gratuitas de diferentes artistas: Irma, com o espetáculo agendado para 4 de dezembro no Regimento de Sapadores Bombeiros; no mesmo dia, Best Youth subirá ao palco no Quartel do Monte Pedral. Por fim, a performance de Joana Almeirante, que irá ocorrer no Museu do carro Elétrico, no dia 18. Todos os concertos iniciam-se às 18h e as portas abrem-se uma hora antes. Os lugares são determinados pela hora de chegada do público.

Para saber mais detalhes sobre a programação, aceda ao site noticioso da Câmara do Porto.

Vai estar presente nestes festejos natalícios? Responda aqui.

Em caso de dúvida ou sugestões de melhoria envie um email para:

up202005124@letras.up.pt

Catarina Parchão Moreira

Desmantelada estrutura criminosa organizada em Beja

Rede de tráfico humano sediada em Beja escravizava centenas de pessoas em campos agrícolas no Alentejo. Solicitadora criava documentos falsos e fazia contratos com empresas fantasma.

Imagem retirada do site oficial da PJ

Trinta e cinco pessoas foram detidas numa megaoperação da Polícia Judiciária por suspeitas de submeterem centenas de trabalhadores estrangeiros a condições de escravatura em campos agrícolas do Alentejo. Estão em causa crimes como tráficos de seres humanos, associação criminosa, branqueamento de capitais e falsificação de documentos.

Em comunicado, a PJ confirmou que a Unidade Nacional de Contraterrorismo realizou “uma vasta operação policial” em vários pontos da região do Baixo Alentejo. Foram cumpridos 65 mandados de busca e detidas 35 pessoas.

Os suspeitos têm entre 22 e 58 anos, de nacionalidade estrangeira e portuguesa, e “integram uma estrutura criminosa dedicada à exploração do trabalho de cidadãos imigrantes, na sua maioria, aliciados nos seus países de origem, tais como, Roménia, Moldávia, Índia, Senegal, Paquistão, Marrocos, Argélia, entre outros, para virem trabalhar em explorações agrícolas naquela região do nosso país.”

As vítimas eram abordadas nos países de origem e convidadas a virem para Portugal, onde teriam à sua espera uma vida por muitos desejada: um salário, boas de condições de trabalho e alojamento. No entanto, a realidade era outra, segundo a CNN Portugal, os supostos empregadores ficavam com os salários das vítimas, afirmando que tinham uma dívida de milhares de euros com a empresa por causa dos gastos com a viagem para Portugal e com o alojamento. Os trabalhadores tinham pouco tempo de descanso, eram submetidos a trabalhos pesados e ameaçados com violência física — contra eles e contra as famílias.

A operação da PJ envolveu cerca de 400 operacionais que procederam ao cumprimento de 65 Mandados de Busca domiciliária, onde foram apreendidos vários elementos probatórios, bem como a identificação de dezenas de vítimas.

A PJ afirma, ainda, que a operação “contou com a colaboração de várias entidades estatais e não estatais, quer em apoio logístico, quer no encaminhamento das vítimas”.

Já foram conhecidas as medias de coação dos 35 suspeitos do caso do tráfico de seres humanos. A Agência LUSA avança que o juiz Carlos Alexandre determinou que dos 35 detidos na megaoperação da PJ contra o tráfico humano no Alentejo, 31 pessoas vão ficar em prisão preventiva. Alguns dos detidos podem ainda vir a ficar com pulseira eletrónica.

Numa altura que tanto se fala dos direitos humanos no Médio Oriente, bem perto de nós os mesmos são colocados em causa. Deixe-nos aqui a sua opinião!

 

Leonor Couto

Protestos na China contra a política “Covid 0”

Protestos na China contra a política “Covid 0”

Mariana Ramalho  28 de novembro 2022

Estão a aumentar as oposições contra a proibição da circulação das pessoas na China para combater surtos da pandemia. Alguns usam apenas flores e folhas brancas, outros com cânticos de descontentamento.

Imagem do Observador

Este fim de semana várias manifestações surgiram em cidades como Pequim e Xangai devido ao descontentamento dos cidadãos com as restrições impostas pelo governo, a estratégia “Covid 0”, implementada pelo Governo chinês a fim de controlar o aumento dos casos de Covid-19 nos últimos tempos.

Após a morte de dez pessoas num incêndio num edifício usado para pessoas em confinamento na quinta-feira, os protestos ganharam ainda mais força.

Na Internet vários vídeos e fotografias circulam de pessoas em vigília em memória às vítimas, que tinham passado já 100 dias confinadas em casa.

A imprensa oficial não noticiou nenhum dos incidentes, no entanto os vídeos publicados mostram dezenas de pessoas a derrubar vedações usadas pela polícia para bloquear o complexo habitacional de Tiantongyuan, este sábado.

É de destacar que a capital da China está agora com os níveis mais elevados de contágio, mais de 4300 casos detetados segundo o mais recente relatório oficial.

Os vídeos mostram os manifestantes a cantar “Aqueles de vós que se recusam a ser escravos, ergam-se”, um verso do hino nacional chinês e ainda “queremos liberdade”, e apelam ao fim dos testes e códigos QR, referindo-se à obrigação de digitalizar com uma aplicação os códigos QR sanitários à entrada de qualquer estabelecimento para me possam ser detestados quem esteve em contacto com quem em caso de contágio.

Na mesma noite ouviu-se ainda “Abaixo o Partido Comunista, abaixo Xi Jinping”, uma invulgar desaprovação pública das políticas do líder chinês.

De acordo com a Comissão Nacional de Saúde, o país detetou quase 40000 novos casos neste sábado, no entanto mais de 90% são assintomáticos. Os números oficiais mostram que cerca de 1,8 milhões de pessoas estão atualmente em quarentena, incluindo os assintomáticos e aqueles que estiveram em contacto com alguém infestado, embora estejam num edifício diferente.

Deixe a sua opinião nos comentários.

 

 

 

 

 

OE 2023: aprovada lei no parlamento que irá potenciar um estudo sobre a “taxa rosa”

O PAN fez aprovar, a segunda-feira passada, uma medida no âmbito do Orçamento de Estado que estuda o impacto da “taxa rosa” nos produtos consumidos em Portugal.


Fonte: LUSA

A “taxa rosa” refere-se à discrepância de preços que existe entre produtos semelhantes dirigidos para mulheres comparativamente aos dirigidos para homens. O termo ganhou relevo globalmente pela verificação de que diferenças na embalagem e marketing de um produto, mas não no conteúdo, condicionam o seu preço, particularmente se a apresentação do produto tiver características associadas a produtos femininos. Já em 2017, a ONU incentivou os países a que eliminassem a “taxa rosa”, no âmbito de uma sessão em que foi discutido o empoderamento económico das mulheres.

Após a mudança de voto do PS, foi aprovada a lei proposta pelo PAN que irá promover um estudo sobre esta discrepância de preços, cujo objetivo será incrementar, futuramente, medidas concretas que eliminem a “taxa rosa” dos produtos portugueses. No estado da Califórnia foi passada uma lei, que entrará em vigor em janeiro de 2023, que proíbe o condicionamento do preço dos produtos com base no género a que são tendencialmente dirigidos.

A medida pretende contribuir para o aumento da igualdade económica entre géneros, particularmente num contexto de inflação, em que o custo de vida aumentou de forma significativa. Para além da discrepância de preços, de acordo com os dados mais recentes do Conselho da UE, divulgados no início deste mês, as mulheres ainda recebem menos 13% que os homens na União Europeia.

O que é a “taxa rosa” e porque vai ser discutida em Portugal? | Perguntas e  Respostas | PÚBLICO
Fonte: Público

Catarina Afonso

Governo anuncia aumento de salários na função pública

O executivo liderado por António Costa informou, após uma reunião do Conselho de Ministros, que as remunerações dos funcionários públicos vão ser aumentadas. A Base Remuneratória no setor ficou fixada num valor acima dos 760 euros.

O comunicado do Conselho de Ministros, publicado na passada quinta-feira, dia 24 de novembro, teve como linha geral a aprovação da Base Remuneratória da Função Pública, com o ponto de partida a ser um salário de 761,58 euros, abaixo dos 850 euros reivindicados pela Frente Comum.

Os aumentos salariais ficam circunscritos a um mínimo de 2%, o que corresponde a um total de 52,11 euros por trabalhador. Como informa o Diário de Notícias, a remuneração mais baixa da tabela, 709,46 euros, fica sujeita a um aumento de 8%, ao passo que remunerações mais altas, a partir de 2 570,82 euros, serão aumentadas em 2%. A decisão surgiu depois de um entendimento do governo com a FESAP (Federação de Sindicatos da Administração Pública) e a STE (Frente Sindical).

Foto: Compromisso 2026 / Fonte: FESAP

O Acordo Plurianual para a Valorização dos Trabalhadores da Administração Pública pertence ao programa Compromisso 2026 da FESAP e prevê ainda mais apoios dirigidos aos trabalhadores. Além dos aumentos salariais, a classe terá direito, a partir de 2023, a 5,20 euros de subsídio de alimentação, valor bem abaixo dos 9 euros exigidos pela Frente Comum.

O novo decreto-lei abrange “técnicos superiores”, “assistentes técnicos” e “assistentes operacionais” e assinala um regime de acumulação de pontos. A contabilização vai ter um impacte nos salários dos trabalhadores, e tem por base uma tabela de desempenho do SIADAP (Sistema Integrado de Gestão e Avaliação do Desempenho na Administração Pública). Isto significa que os trabalhadores que melhor exercerem as suas funções vão continuar a ser compensados financeiramente.

Mariana Vieira da Silva, ministra da Presidência, anunciou que estas medidas vêm “garantir previsibilidade no decorrer da atual legislatura”. A ministra acrescentou que este pacote de medidas terá influência nos salários já a partir de 2023, pois “subirão, em média, 3,6% durante o próximo ano”. O governo aprovou também a valorização das carreiras especiais, que se encontram incluídas na Base Remuneratória, nas áreas da Defesa, da Administração Interna, da Justiça e da Saúde. 

A revisão da Tabela Remuneratória Única (TRU) compreende um aumento médio de 5,6% e de 104,22 euros para os técnicos superiores, com uma diferença de 400 euros para os assistentes técnicos. Estes últimos terão direito a mais 10,7% dos rendimentos atuais, o que se traduz numa diferença acima de 100 euros para os assistentes operacionais. Para estes, ficou acordada uma “valorização da antiguidade”, materializada na subida de um nível remuneratório para os trabalhadores com mais de 15 anos de carreira, e de dois níveis para quem tiver mais de 30 anos de serviço.

Por forma a responder à inflação, o governo já tinha visto ser aprovado para este ano o aumento dos salários em 0,9% da maioria dos 740 mil funcionários públicos. Esta nova medida prevê a subida dos seus rendimentos a partir de 2%.

A legislação para a função pública, que entra em vigor em janeiro de 2023, compreende atualmente mais de 120 mil pessoas no primeiro nível de remuneração e custa ao governo 680 milhões de euros, excluindo progressos e promoções.

Link para o fórum de discussão: https://www.reddit.com/r/ccflup/comments/z73a00/como_observa_os_aumentos_salariais_na_fun%C3%A7%C3%A3o/

Para mais informações, contacte: daniel.m.s.henriques@gmail.com

Artigo da autoria de Daniel Henriques (up202009487 – T1)

 

 

 

 

Portugal entra com o pé direito no Mundial

No jogo de abertura da Seleção Nacional no Mundial 2022 do Catar, Portugal venceu a Seleção do Gana por 3-2.

Foto: EPA/MIGUEL A. LOPES

Portugal iniciou a sua participação no Mundial com uma vitória frente ao Gana por 3-2. O jogo, a contar para a primeira jornada do grupo H da fase de grupos, decorreu no Estádio 974 em Doha, no Catar.

Os golos da Seleção Nacional foram marcados por Cristiano Ronaldo aos 65 minutos, através da conversão de uma grande penalidade, João Félix aos 78 minutos e Rafael Leão aos 80 minutos. André Ayew e Osman Bukari aos 73 e 89 minutos respetivamente, marcaram os golos da congénere ganesa.

Com esta vitória a Seleção Nacional lidera de forma isolada o grupo H, com 3 pontos em 1 jogo. Já o Gana é último classificado com 0 pontos, fruto também do empate a zero entre Coreia do Sul e Uruguai.

Reveja aqui os melhores momentos do jogo, com imagem da Sport TV.

Portugal iniciou o jogo por cima, tendo números elevados de posse de bola, segundo as estatísticas. A equipa das quinas trocou regularmente a bola no meio campo adversário, mas sem nunca importunar verdadeiramente a baliza de Zigi. Ronaldo ainda marcou um golo, anulado por falta sobre Djiku, mas o resultado manteve-se a zeros até ao intervalo.

Na segunda parte, ambas as equipas entraram com intenções de vencer o jogo, mas foi Portugal que abriu o marcador. Cristiano Ronaldo caiu na área, o arbitro apontou para a marca de penálti, e o próprio capitão cobrou a grande penalidade, batendo mais um recorde. Ronaldo foi o primeiro jogador a marcar um golo em cinco fases finais de Mundiais.

O Gana nunca desistiu e aos 73 minutos André Ayew empatou a partida. O empate foi de pouca dura, pois aos 78 minutos, de um passe de Bruno Fernandes, João Félix finalizou com toda a classe e repôs a vantagem lusa.

O mesmo Bruno Fernandes voltou a assistir um colega volvidos apenas dois minutos. Contra ataque conduzido pelo médio português, que deixou Rafael Leão no frente a frente com Zigi. Estreia a marcar na Seleção Nacional AA para o jovem avançado do AC Milan de Itália.

Osman Bukari ainda reduziu para o Gana perto do minuto 90 mas a vitória já não fugiu à equipa das Quinas, que ainda se livrou de um susto de Diogo Costa mesmo ao cair do pano.

A Seleção Portuguesa volta a entrar em campo na segunda-feira dia 28, frente ao Uruguai. O jogo inicia às 19 horas de Lisboa no Estádio Lusail, no Qatar.

#Portugal #Qatar2022 #FIFAWorldCup

 

Rodrigo Sousa

Melhores Acessibilidades na circundante ao Mercado da Foz

Já se iniciaram os trabalhos que irão criar melhores passeios, nas ruas á volta do Mercado da Foz do Douro. Estas alterações são algo que os moradores ansiavam á muitos anos.

Foto Retirada do backoffice do JPN – Presidente da União de Freguesias da Foz do Douro, Nevogilde e Aldoar, Tiago Mayan

Primeiro foram os paquímetros, nos lugares de estacionamento, a deixarem os vendedores do Mercado da Foz do Douro preocupados, depois para quem vai a pé as coisas precisavam de ser alteradas. E agora que o Mercado da Foz sofreu uma remodelação bastante importante, com uma entrada mais apelativa e uma pintura mais vistosa. Este Mercado com quase 80 anos de existência (inaugurado em 15 de janeiro de 1944), foi sido mantido ao longo dos anos, muito graças aos comerciantes e também às gentes da Foz do Douro, que gostam de manter as tradições e nunca deixaram que o Mercado morresse.

Agora além dos estacionamentos, aquilo que também vai desagradando quem por lá passa, são as acessibilidades pedonais, pois quem gosta de se deslocar a pé para o Mercado, depara-se com ruas que nem sempre ajudam ao “passeio” e levam muitos a optar por outro tipo de comércio.

Esta obra vem sendo já pensada á muitos anos, pelos sucessivos presidentes sobretudo de junta, mas nem sempre as verbas chegam. As tao esperadas obras em volta das ruas do Mercado da Foz, e começam na Rua de Corte Real, que é uma rua bastante grande, e passa por muitas outras ruas paralelas, nas traseiras do Mercado. Todas as ruas envolventes, são das mais importantes da zona da Foz, e então isto vai beneficiar não só quem vai querer ir a pé para o Mercado, como vai embelezar ainda mais uma das zonas mais bonitas da cidade do Porto.

Foto retirada da Página da Go Porto

Os trabalhos serão até á Praça do Império, que é a rotunda que fica perto da envolvente do Mercado. Serão feitos avanços de passeio em zonas de atravessamento e seus abaixamentos em zona pedestre e a aplicação de pavimentos tangíveis, para as pessoas de mobilidade reduzida, isto sim são boas notícias.

A União de Freguesias da Foz do Douro, Nevogilde e Aldoar no dia 8 de Novembro refere que, com o apoio financeiro de quase 130 mil euros da Go Porto, que é uma parte pertencente á Câmara Municipal do Porto, que está vocacionada para a gestão e exploração de locais (como é o exemplo do mercado do Bolhão) e também das obras publicas e privadas, da cidade do Porto.

Serão contemplados os avanços de passeio em zonas de atravessamento pedonal, as relocalizações das travessias para os percursos naturais dos peões, o rebaixamento dos passeios em zonas de travessia pedonal e a aplicação de pavimentos táteis. A intervenção engloba, ainda, a repavimentação da área implicada na Rua do Dr. Nunes da Ponte.(Fonte Jornal de Notícias). É fornecida também uma linha de obra disponível 228 339 303, para quem precisar tirar suas dúvidas ligarem.

As Noticias apresentadas tanto no Site da “União de Freguesias da Foz do Douro, Nevogilde e Aldoar”, como da “Go Porto” e mesmo do “Jornal de notícias”, foram pequenas e concisas, mas podiam ter um pouco mais de informação para as pessoas, principalmente as que moram nas imediações, poderem saber os constrangimentos que vão ter, durante as obras que serão em princípio até o mês de janeiro de 2023, e podiam também referenciar, que ruas serão fechadas ou com transito condicionado.

Pedro Marques