“Estas lições de moral de um lado são apenas hipocrisia”

Fonte: Sky News

Em conferência de imprensa, na véspera do início do Mundial, o presidente da FIFA Gianni Infantino acusou os críticos de serem hipócritas e defendeu o Catar.

Após as inúmeras críticas que surgiram com a aproximação do começo do Campeonato do Mundo 2022 que se realiza no Catar, o presidente da organização que controla o futebol internacional, Gianni Infantino, deu uma conferência de imprensa em Doha onde acusou o ocidente de “hipocrisia”. Infantino criticou as ações dos europeus no mundo e disse “devíamos pedir desculpa pelos próximos 3000 anos, antes de começar a dar lições de moral a alguém”.

O dirigente da FIFA admitiu que há situações, no país que recebe a maior competição de seleções do mundo, que precisam de mudar e devem ser abordadas e expressou o seu apoio à comunidade LGBTQIA+.

Infantino disse ainda “hoje sinto-me catari, sinto-me árabe, sinto-me africano, sinto-me gay, sinto-me deficiente, sinto-me trabalhador migrante… sinto-me tudo ao mesmo tempo”. Estas declarações que visavam demonstrar o apoio a todos os prejudicados pela discriminação tornaram-se polémicas e serviram para aumentar a revolta de todos os que são contra a realização de um Mundial num país que não respeita os direitos humanos.

Segundo o The Guardian, 6500 trabalhadores migrantes morreram durante a construção dos estádios para receber o Campeonato do Mundo do Catar.

Veja aqui a notícia.

Concorda com a realização do Mundial2022 no Catar? Responda aqui

 

João Domingues