Balenciaga emite pedido de desculpas após polémica envolvendo campanha

Duas campanhas deram origem a uma tempestade para a marca de luxo da Kering, com alegações de apoiar abuso infantil e pornografia.

A marca publicou esta terça feira, 22 de novembro, um pedido de desculpas no Instagram, demonstrando arrependimento por incluir os ursinhos de peluche na campanha. Afirmou, também, que já está tomando medidas legais contra as partes responsáveis por criar o cenário e incluir itens não aprovados para a sessão fotográfica da campanha.

Publicações do Instagram do perfil oficial da Balenciaga com o pedido de desculpas da marca

A campanha Objects de Gabriele Galimberti, conhecido por seus retratos de crianças cercadas por seus pertences, apresenta meninas segurando ursinhos de peluche em harness e tops com transparência. A outra, de Chris Maggio, traz modelos no escritório da Adidas: inclui uma foto de uma bolsa com uma página de uma decisão do SCOTUS de 2008 (Estados Unidos vs Williams) sustentando a promoção ou propaganda de pornografia infantil como um crime federal não protegido pela liberdade de expressão. Uma imagem de Isabelle Huppert inclui um livro de arte de Michael Borremeans, cujo trabalho apresenta crianças e adultos desnudos envolvidos em atos de violência, incluindo canibalismo.

Screenshot da página inicial da aplicação da Balenciaga: Camapanha de Gabriele Galimberti

As imagens foram disponibilizadas no site da marca para divulgar a coleção de Primavera 2023 e causaram controvérsias nas redes sociais. Usuários da rede social Twitter questionaram a Balenciaga de promover pedofilia, abuso infantil e pornografia. Também questionaram a presença de um documento em uma das fotos de Maggio, que traz o nome de John Phillip Fisher, condenado em 2018 por abusar sua neta.

 

Stefânia Soares

Sugestões de edições: up202100376@up.pt