Operação “CHAMARIZ” detém grupo criminoso procurado desde janeiro

A Polícia Judiciária deteve ontem, em Sintra, um grupo fortemente indiciado pela prática de crimes de roubo agravado, ofensas à integridade física, burla informática e nas telecomunicações e detenção de arma proibida

De acordo com um comunicado, apresentado no website da instituição, os factos cometidos foram iniciados no passado mês de janeiro, quando o grupo criminoso, que tinha como recurso a arma de fogo e armas brancas, ameaçou e agrediu a vítima de forma violenta.

Os indivíduos, um dos quais ainda não foi identificado, apropriaram-se de bens pessoais do ofendido, nomeadamente da sua viatura telemóvel, documentos, vestuário e um cartão de débito. Os mesmos utilizaram o cartão para efetuar um levantamento de numerário, além de terem tentado vender o veículo roubado.

A vítima foi abordada anteriormente aos crimes através do WhatsApp por uma integrante do grupo. O homem de 25 anos foi aliciado para um encontro sexual mediante pagamento, e foi acordado um local de encontro, no qual foram sediadas as ofensas. No decorrer das diligências efetuadas, foram apreendidos relevantes elementos de natureza probatória.

O grupo, composto por três mulheres e três homens, entre as idades de 17 e 25 anos, será submetido ao primeiro interrogatório judicial, no qual vão ser sujeitos à aplicação das medidas de coação processual adequadas. A Polícia Judiciária irá prosseguir a investigação, de forma a apurar a eventual participação dos mesmos em outros crimes semelhantes e identificar o coautor ainda não reconhecido.

A operação policial, de nome “CHAMARIZ”, foi realizada em inquérito dirigido pela DIAP de Sintra, através da Diretoria de Lisboa e Vale do Tejo.

 

Maria Eugênia Corrêa da Costa de Sousa, Turma 4