Presidenciais 2021: Marcelo lidera mesmo sem candidatura oficial

Está marcado para Janeiro de 2021 as eleições que vão determinar o próximo Presidente da República português e são já muitos os candidatos na corrida a Belém. Marcelo Rebelo de Sousa, apesar de ainda não ter anunciado a recandidatura, lidera já as sondagens com a maioria dos votos.

JPN

Marcelo Rebelo de Sousa, atual presidente da República, saiu vitorioso das últimas eleições presidenciais em 2016 com 52% dos votos. Foi também o preferido dos portuenses, vencendo em todos os conselhos do distrito com uma vantagem que variou entre os 46 e os 63% para os restantes adversários. Em segundo lugar ficou Sampaio Nóvoa com apenas 22% dos votos.

 

Segundo um estudo realizado pela Eurosondagem, Marcelo Rebelo de Sousa, ainda sem anunciar publicamente a sua recandidatura, volta a ser o preferido nas presidenciais do próximo ano, atingindo uma vantagem de 61% dos votos. Em segundo lugar encontra-se o candidato do CHEGA, André Ventura, com 11% dos votos. O primeiro candidato a anunciar a sua candidatura às presidenciais diz-se ser anti-sistema e acusa o atual presidente de “compactuar com situações anómalas”.

O terceiro lugar passou a ser ocupado pela candidata socialista, Ana Gomes, com 10% dos votos, apenas 1 valor percentual de diferença para o segundo classificado. A ex-eurodeputada anunciou a sua candidatura em maio de 2021 e descreve Marcelo Rebelo de Sousa como passivo e inativo. Até ao dado momento, apenas o partido Livre anunciou o apoio à candidata.

Segue-se em quarto lugar na sondagem Marisa Matias, deputada pelo Bloco de Esquerda com 8,5% dos votos. É já a segunda vez que a bloquista se candidata a Belém, tendo ocupado o terceiro lugar nas últimas presidenciais. Critica o atual Presidente da República pela sua monotonia e subordinação ao governo e tem como objetivo acabar com os privilégios e interesses pessoais.

O candidato do Partido Comunista ocupa o quinto lugar com 5,5%. João Ferreira, deputado da Assembleia da República, pretende combater as injustiças instalas em Portugal, bem como defender os direitos da classe trabalhadora. Com 1% de votos, Tiago Mayan, do Partido Iniciativa Liberal, ocupa o último lugar. O deputado e advogado de 43 anos diz estar “farto da bolha em que o sistema político vive”.

Também estão já anunciados na corrida à presidência da República os candidatos do RIR e do Partido Democrata Republicano. Tino de Rans, candidato pelo RIR, candidata-se às presidenciais pela segunda vez e afirma que a sua candidatura é simples e “feita de gente simples”. Já o representante do PDR, Bruno Fialho admite ser o candidato mais ao centro e pretende abranger todas as ideologias políticas.

O estudo da Eurosondagem foi realizado entre 12 a 15 de outubro e abrangeu 1072 pessoas.Com 19,6% de abstenção, o estudo foi classificado com um grau de probabilidade de 95%.

 

Ana Raquel Alves