Vilar de Mouros: “Woodstock português” regressa em 2020

As datas para a próxima edição do festival de verão de Vilar de Mouros estão definidas. Cartaz deve ser divulgado em breve.

O festival de Vilar de Mouros, conhecido como o mais antigo festival da Península Ibérica, volta a trazer o rock ao concelho de Caminha em 2020. Nos dias 27, 28 e 29 de agosto, o último fim-de-semana do mês promete mais momentos de “reencontro” entre artistas e o público.

A edição de 2019 atraiu 46 mil pessoas de 18 nacionalidades. Numa freguesia de apenas 753 mil habitantes, esses números são significativos. Apesar de 2019 ter recebido 14 mil pessoas a mais que a edição anterior, os planos para 2020 é de aumentar em qualidade e não em quantidade. Os organizadores dizem que não há planos para exceder a lotação máxima de 20 mil pessoas, e o local do evento será o mesmo.

O fato é que, em 2019, o festival relembrou os dias gloriosos dos seus primórdios, esgotando os bilhetes do segundo dia do evento e trazendo nomes de destaque como The Cult e The Offspring. Enquanto o cartaz de 2020 ainda não é anunciado, as expectativas são de mais uma grande edição.

O festival de Vilar de Mouros, agora patrocinado pela EDP, acontece anualmente desde 2016. Na altura, foi assinado um protocolo pela Câmara Municipal de Caminha, prevendo a realização do festival até 2021. A decisão veio após anos em que o festival ocorreu de forma intermitente.

Conhecido como o “Woodstock português”, o festival Vilar de Mouros teve a sua mais marcante edição em 1971. Apenas dois anos depois do famoso festival americano, o cartaz histórico da versão portuguesa incluiu nomes como Elton John, Manfred Mann e Quarteto 1111, atraindo cerca de 20 mil pessoas. O evento já havia ocorrido antes, em 1965 e em 1968, reunindo artistas portugueses.

Maira Salazar