Luta dos grandes – PS e PSD em posições contrárias da mesma linha

 

O partido liderado por Rui Rio está a ganhar terreno face ao partido socialista de António Costa.  A 4 dias do início da sondagem, a diferença percentual que separava o PS do PSD tem vindo diminuir.

Foi no passado sábado que a sondagem lançada pela Pitagórica para a TVI24, TSF e JN, tem vindo a registar todas as intenções de voto dentro de uma pequeno amostra eleitoral de cidadãos portugueses, tal como as suas respetivas discrepâncias numéricas. A sondagem,que começou por ser liderada pelo PS com 38,6% de intenção de voto, vê agora o seu cada vez maior afastamento face à  maioria absoluta, contando, atualmente, com apenas 36% dos votos. No entanto, o PSD está a fazer a trajetória contrária. Começando com 26,6% de intenção de voto, o partido liderado por António Costa conta agora 28,5% dos votos. Apesar de ainda a 7,5 pontos percentuais do PSD, Costa está a ganhar terreno a uma velocidade moderada (1,9%). O partido socialista, segundo a Pitagórica, nunca esteve tão em baixo nas sucessivas sondagens feitas desde Abril, estando demasiado próximos dos resultados das últimas europeias (33,3%) ou até das legislativas de 2015 (32,3%).

O partido de Catarina Martins encontra-se num terceiro lugar sólido, com 10,5% de intenção de voto. O CDU teve um deslize de menos um ponto, mantendo-se agora nos  6,8%. Já o CDS-PP, sofreu uma queda de 3%, contando agora com 4,4 pontos percentuais. O PAN viu uma melhoria nos seus resultados, estando empatado com o CDS-PP. A iniciativa liberal e o Livre contam com, respetivamente, 1,2% e 0,)%. Os partidos que não têm representatividade parlamentar, Aliança e CHEGA, contam ambos com 0,5% de intenção de voto.

Divisões sócio-geográficas de intenção de voto

Os dois “grandes” até a atrair os eleitores se encontram em lados distintos. Segundo o JN, “quanto menor é o rendimento do eleitor, maior é o apoio a Costa. Já Rio faz o percurso ao contrário e tem mais adeptos, quanto mais recebem os inquiridos.”

Quando se trata das idades, o maior segmento de resposta à sondagem é feita pelos eleitores com 55 ou mais anos. É o PS o partido que assegura maioria face aos restantes dentro dos eleitores dentro da idade acima transcrita.

Em termos geográficos, o Norte foi novamente conquistado pelo PS e o PSD tem vindo a aproximar-se dos maiores círculos eleitorais, Porto e Centro. (É importante salientar novamente que a análise feita em segmentos deve ser cuidada visto ser reduzido o número de inquiridos para efeitos de sondagem).

Impacto na exposição mediática – apenas dois candidatos na margem positiva

Quando se trata das opiniões do público face a cada um dos candidatos, a ordem é completamente diferente da feita anteriormente. São apenas dois os cabeças de cartaz que têm uma avaliação positiva. Todos os restantes estão do lado negativo. Rui Rio tem assim um bom saldo com 14,3% de exposição mediática. Já a outra candidata é Catarina Martins com 2,3%. Jerónimo de Sousa não se encontra nem na parte positiva, nem na negativa, somando assim um total de 0% de exposição mediática. A pior avaliação continua a ser a do cabeça de cartaz do PAN, André Silva, com – 29,2%.

No entanto, os dados voltam a alterar-se quando queremos falar de quem é o político com a melhor performance, sendo o escolhido pelo público António Costa com 34,9%, seguido de Rui Rio com 21,5% e Catarina Martins com 11,6%. Por fim, quando se trata de saber qual o partido político que está a surpreender pela positiva, o BE aparece em primeiro com 6,9%, seguido do PSD (6,8%) e do PAN (6%). No entanto, há que salvaguardar que 67% dos inquiridos decidiu não responder ou não identificar um partido, pelo que as conclusões tornam-se limitadas.

Números finais

75,7%

Segundos os inquiridos, é quase certa a vitória para o partido de Rui Rio, com 75,7% de escolha eleitoral.

25%

Como em anos anteriores, 1 em cada 4 eleitores portugueses ainda não sabe em quem vai votar.

86%

Contrariamente ao pensado, a esmagadora maioria dos portugueses está atento às campanhas eleitorais.

 

Ficha Técnica

A sondagem realizada pela Pitagórica tem como principal objetivo o de analisar a opinião dos portugueses eleitores, tendo em conta as suas preferências partidárias para as eleições legislativas do presente ano.

Foi assim que ao longo de 4 dias (de 20 a 23 de Setembro) foram recolhidas pela Pitagórica uma sub-amostra de 150 entrevistas representativas dentro do universo total eleitoral português. O estudo teve por base os critérios de género, idade e região e tem vindo a ser publicado na TVI24, TSF e JN.

Em termos mais concretos, os últimos 4 dias tem vindo a implicar uma amostra de 600 indivíduos, selecionados através da geração aleatória de números de telemóvel tendo em conta as 3 principais operadoras identificadas pela ANACOM. As entrevistas são recolhidas através da CATI – Computer Assisted Telephone Interviiewing. A ficha técnica completa pode ser consultada no site online da Entidade Reguladora para a Comunicação Social.

 

Rita Magalhães