Legislativas 2019: PSD reduz para metade distância para o PS

Resultados da sondagem diária JN-TSF-TVI divulgados ontem indicam que o Partido Socialista continua a perder terreno e o PSD a subir. Maioria absoluta é cada vez mais uma miragem..

No inquérito realizado no sábado, os socialistas obtiveram 40,6%. Desde então desceram 4,6%, fixando-se agora nos 36%. Em sentido contrário, os sociais-democratas subiram, no mesmo período, dos 26,6% para os 28,5%. A distância entre os dois principais partidos reduziu-se assim praticamente a metade (passou de 14% há quatro dias atrás, para 7,5% verificados ontem).

A terceira maior força política continua ser o Bloco de Esquerda, que recolhe 10,4% das intenções de voto, subindo 1,8%. São seguidos pela Coligação PCP-PEV, que estabilizou nos 6,8%. O CDS-PP continua a cair nos resultados da sondagem diária JNTSFTVI, obtendo 4,4%, menos 0,8% do que há quatro dias. Já o PAN recuperou das perdas verificadas em dias anteriores, alcançando 3,7%, próximo dos 3,6% que tinha inicialmente.

Quanto aos pequenos partidos, destaque para a subida do Iniciativa Liberal, que mais que duplica as intenções de voto, quando comparado com a sondagem de sábado (passa de 0,5% para 1,2%). Em sentido inverso a Aliança passou dos 1,1% para os 0,5%, no mesmo período. O Chega mantém-se nos 0,5%. Já o Livre sobe significativamente em quatro dias, de 0.2% para 0.9%.

21 partidos participam nas eleições

Segundo dados oficiais do Governo, participam nas eleições legislativas 21 partidos, dos quais 15 concorrem a todos os círculos eleitorais. São eles: os 6 partidos com assento parlamentar na actual legislatura (PS, PPD-PSD, Bloco de Esquerda, PCP-PEV, Bloco de Esquerda e PAN), a que se juntam: o Aliança, o Chega, o Iniciativa Liberal, o Livre, o PNR, o PDR, o PCTP-MRPP, o PPM e o PTP.

Braga, Leiria, Porto e Europa são os únicos círculos a que concorrem todas as forças políticas. Já Vila Real é o círculo eleitoral com a menor quantidade de listas inscritas: 16 partidos farão parte do boletim de voto.

No Porto, destaque para as candidaturas da coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, como cabeça-de-lista. O líder do PSD, Rui Rio, também concorre na lista do Porto, mas surge colocado na segunda posição, cedendo o lugar cimeiro a Hugo Carvalho, actual Presidente do Conselho Nacional de Juventude. Já o Partido Socialista propõe novamente Alexandre Quintanilha como cabeça-de-lista. Na mesma posição, o CDS-PP apresenta Cecília Meireles e o PCP-PEV Diana Ferreira, ambas deputadas pelos respetivos partidos na legislatura que agora chega ao fim.

Resultados de 2015 deram início à ‘Geringonça’

Recorde-se que em 2015, a coligação Portugal à Frente (PàF), formada pelo PPD/PSD e o CDS/PP, venceu as eleições com 36,86% dos votos, elegendo 102 deputados. Se considerarmos os votos obtidos por estes dois partidos na Madeira (em que concorreram separadamente), então a percentagem sobe para 38,5% e o número de deputados para 107. Seguiu-se o Partido Socalista, que obteve 32,31%, o que lhe garantiu a eleição de 86 deputados. Em terceiro lugar, surgiu o Bloco de Esquerda, com 10,19% dos votos e 19 deputados; em quarto, a coligação PCP-PEV com 8,25%, assegurando 17 deputados. Finalmente, o PAN elegeu pela primeira vez um representante no Parlamento, resultante dos 1,39% de votos alcançados.

Apesar da vitória da PàF, foi o Partido Socialista, apoiado pelos restantes partidos de esquerda (Bloco de Esquerda e PCP-PEV), que acabou por formar governo, solução política que ficou conhecida como ‘Geringonça’.

Ficha técnica

A sondagem tem como objetivo avaliar a opinião dos eleitores Portugueses sobre temas relacionados com as eleições legislativas, que terão lugar no dia 6 de Outubro. As entrevistas foram conduzidas diariamente entre os dias 20 e 23 de Setembro, pela Pitagórica, para a TVI, o JN e a TVI. Em cada dia foram recolhidas 150 entrevistas, numa amostra total de 600 indivíduos. O grau de confiança é de 95,5% e a margem de erro máxima é de ±4,07%. A taxa de resposta foi de 60,61%. A direção técnica do estudo é da responsabilidade de Rita Marques da Silva. A seleção dos entrevistados foi realizada através de geração aleatória dos números de telemóvel. A entrevista foi feita telefonicamente (CATI – Computer Assisted Telephone Interviewing). A Ficha técnica completa pode ser consultada online junto da Entidade Reguladora para a Comunicação Social.

Autoria: Miguel Marques Ribeiro