Legislativas 2019: PSD continua a aproximar-se do PS nas sondagens

A sondagem diária da Pitagórica para o JN/TSF/TVI revela uma evolução positiva para os sociais democratas, PS e PSD estão separados por 7,5 pontos percentuais. Livre e Iniciativa Liberal podem eleger deputados.

Esta sondagem   mostra  uma ligeira queda do PS que, em apenas quatro dias,  passou de 40,6 para 36% , mas sobe  em relação a 2015. Pelo contrário, o PSD conseguiu subir quase 2 % , passando de 26.6% para 28,5%. Uma descida de quase oito pontos percentuais em relação aos resultados obtidos pela coligação com o CDS em 2015.

O Bloco continua em terceiro lugar com 10,5%, uma melhoria de cerca de quatro décimas face às últimas legislativas . O  PCP aparece em quarto lugar com 6,9% , menos dois pontos percentuais do que em 2015 . O CDS volta a perder terreno, somando apenas 4,4% das intenções de voto. Os centristas vêm o PAN a aproximar-se com 3,7%.

Relativamente aos partidos sem assento parlamentar, o Iniciativa Liberal é o que está mais próximo de conseguir um deputado. O LIVRE  conseguiu destacar-se ao passar de 0,2 para 0,9%, em apenas quatro dias. Em terreno negativo está o ALIANÇA que caiu para 0,5%, a mesma percentagem do CHEGA.

Perante a possibilidade de maioria absoluta, cerca de 60 % dos inquiridos afirma ser contra essa opção.

No que toca à popularidade dos candidatos, os únicos que conseguiram uma avaliação sempre positiva foram Catarina Martins e Rui Rio. A maior oscilação ocorreu com a candidata do LIVRE, Joacine Katar Moreira, que passou de 33,3% positivos para -20% negativos. Os restantes candidatos tiveram sempre avaliação negativa.

A lista dos candidatos por cada círculo eleitoral está disponível no site Legislativas 2019.

Ficha Técnica

Para realizar esta sondagem a Pitagórica recolheu , durante quatro dias, sub-amostras de 150 entrevistas representativas do género , idade e região. A amostra é de 600 indivíduos, o  grau de confiança é de 95.5% e as chamadas foram realizadas aleatoriamente por telemóvel  e chamada telefónica.

Rui Vieira Cunha