LEGISLATIVAS 2019: PS e PSD muito próximos em Gulpilhares/Valadares (Porto)

No passado domingo, 60% dos eleitores da União de Freguesias de Gulpilhares e Valadares foi às urnas escolher os seus representantes. PS e PSD ficaram muito próximos, em primeiro e segundo lugar.

O PS contabilizou 33,49% dos votos na união de freguesias gaiense, menos 3 pontos percentuais que os socialistas registaram nos resultados globais. Já o PSD ficou imediatamente atrás, com 29,09% dos votos, mais 2 pontos percentuais que na totalidade nacional. Para além destes dois, o Bloco de Esquerda foi o último partido a passar o milhar de votos, com uma percentagem de quase 12%, e reforça a sua posição como terceira força partidária. Todos os partidos angariaram votantes, com o MAS a ficar em último com apenas 8 pessoas a dar-lhes a cruzinha (0,07%). Todos os resultados em Gulpilhares/Valadares podem ser consultados na página das legislativas da TVI.

No círculo eleitoral do Porto, o PS elegeu 17 deputados, entre os quais estão o físico Alexandre Quintanilha e Constança Urbano de Sousa, ex-ministra da Administração Interna na altura dos incêndios de Pedrógão Grande.  O PSD conseguiu lugar para 15 deputados, apenas menos 2 que o PS, e foi por este círculo eleitoral que foi eleito o secretário-geral do partido, Rui Rio. Catarina Martins, porta-voz do Bloco de Esquerda, foi também eleita pelo Porto, juntamente com outros 3 deputados, entre os quais está o jovem estudante da FLUP Luís Monteiro. Pela CDU entraram Diana Ferreira e Ana Mesquita. PAN e CDS elegeram ambos apenas uma deputada – Bebiana Cunha (PAN) e a já deputada Cecília Meireles (CDS). Dos partidos com assento parlamentar, só os estreantes não fizeram entrar ninguém do Porto – CHEGA, Livre e Iniciativa Liberal, cujo presidente vota, inclusive, na união de freguesias Gulpilhares/Valadares.

Em 2015, foi a coligação Portugal à Frente (PSD/CDS) que angariou mais eleitores em Gulpilhares/Valadares, com uma diferença para o PS idêntica à que os partidos obtiveram nestas eleições – podemos dizer que se inverteram os papéis. Bloco de Esquerda e CDU também tinham tido mais votos nas últimas legislativas. A grande diferença foi a dispersão de eleitores pelos novos partidos emergentes, fenómeno que não ocorreu em grande escala na eleição anterior. Os resultados foram, aliás, semelhantes aos do próprio círculo eleitoral do Porto, que elegeu 17 deputados da coligação PaF em 2015 e 14 do PS. Bloco de Esquerda perdeu um este ano em relação às últimas legislativas, bem como a CDU. O PAN só elegeu uma deputada pelo Porto pela primeira vez este ano.

 

Carolina Reis

Turma 1 (a frequentar turma 2)