#6COBCIBER: O Clickbait no ciberjornalismo português e brasileiro

Teve lugar na Faculdade de Letras da Universidade do Porto ( FLUP), no dia 22 de novembro, uma palestra sobre o estudo do Observatório de Ciberjornalismo acerca do Clickbait no ciberjornalismo português e brasileiro.

   Foto: Ana Isabel Reis

Esta palestra, realizada no âmbito do VI Congresso Internacional de Ciberjornalismo, foi  apresentada por Elizabeth Saad Corrêa, da Universidade de São Paulo, em parceria com Fernando Zamith, da Universidade do Porto.

Clickbait é o conteúdo, de natureza sensacionalista ou provocativa, cujo principal objetivo é atrair atenção e chamar usuários para um determinado web site.

De acordo com o investigador luso , este estudo “nasceu como proposta do ObCiber”. O desafio foi lançado a vários grupos de investigação e outros especializados no ciberjornalismo, a estudantes de doutoramento e mestrado, e professores, o que culminou numa equipa composta por 28 elementos. Elizabeth Saad Corrêa ressalvou “ a junção de tantos pesquisadores”. Zamith referiu ainda que  “ as primeiras fases foram recolhidas, falta a parte de extrair os resultados e colocar questões sobre as fragilidades, e entender se a metodologia foi a melhor”.

A palestra foi dinamizada por uma apresentação de diapositivos que explicava todo o processo por que os investigadores passaram. A apresentação iniciou-se com uma questão: “Qual o peso do clickbait no ciberjornalismo português e brasileiro de informação geral e de âmbito nacional?” e sucederam-se as várias etapas pelas quais o vasto grupo de investigadores lusos e estrangeiros passaram.

Esta pesquisa demonstrou que o Clickbait é superior no Brasil em relação a Portugal, embora ligeiro em ambos os países .Esta baixa frequência de Clickbait sucede-se, na opinião dos investigadores,porque os  “veículos avaliados ,em sua maioria, são grandes portais de notícias e sites de jornais impressos.Seguem uma cobertura factual, principalmente em notícias de política e economia,e em títulos factuais não há espaço para clickbaits”.

Este estudo, em que a concentração da recolha foi realizada num único espaço temporal, pois a “ diversificação do período de recolha poderia resultar em alguma diferença na análise”, demonstrou também que, de entre os analisados, o “Portal R7 é o que apresenta mais clickbaits, justificados pela sua linha editorial”.

A conferência deu-se por terminada após o público ter direito a fazer algumas questões acerca deste estudo aos investigadores.

 

Pedro Diniz

Up201706164

Turma 3