#6COBCIBER: “Em que medida é que a agenda jornalística é uma prerrogativa apenas do próprio jornalista?”

Manuel Pinto marcou presença no segundo e último dia do VI Congresso de Ciberjornalismo, na Faculdade de Letras do Porto. O professor catedrático da Universidade do Minho deu voz à conferência “As ameças ao (ciber)jornalismo que vêm do próprio campo jornalístico”, que teve como tema central a participação do cidadão no meio. 

Por volta das 11h30 de dia 23 de novembro, Ana Isabel Reis, membro da Comissão Organizadora, apresentou o orador e salientou a importância de se perceber quais as ameças que o (ciber)jornalismo enfrenta no próprio campo. Manuel Pinto, começou por agradecer o convite e inicia a conferência, ressalvando a importância do jornalismo na esfera pública, assim como perceber de forma as ameaças são preocupantes.

As ameças são vistas como entraves?

Manuel Pinto considera que atualmente “nós estamos perante um campo e uma atividade ameaçada, um jornalismo assediado”. As ameaças ao jornalismo, segundo o professor, têm uma carga negativa forte e levam a que, consequentemente, surjam atitudes de defesa. No entanto, Manuel Pinto aponta a importância de “uma atitude de levantamento, de crispação,” para conseguirmos refletir criticamente acercas destas ameaças.

O orador afirmou que a linha guia da conferência baseava-se em perceber “de que maneira é que estas ameças, estes problemas nos podem abrir portas para colocar outras perguntas e eventualmente procurar outras soluções e caminhos”.  Para Manuel Pinto, é um visão redutora pensar que os problemas do jornalismo são resolvidos unicamente através do próprio meio, sendo esta “uma reflexão autorreferencial do jornalismo”. Desta maneira, o orador acaba por encarar o jornalismo como parte do problema, mas também parte da solução.

O professor defende ainda que a situação atual do jornalismo tem de provocar nos profissionais inquietações e fazer com que estes se questionem acerca de colocação diferente perante o problema que têm em mãos. Parafraseando Abel Salazar, Manuel Pinto adaptou uma das suas frases e reitera que “o jornalismo que só olha para o jornalismo, nem para o jornalismo olha”.

Desafios preocupantes

O conceito de jornalismo de cidadão foi a primeira ameaça abordada na conferência. Segundo o orador, este movimento cívico foi a primeira grande intimação dos jornalistas e ainda continuar a ter uma papel bastante ativo na sociedade de hoje. Manuel Pinto questiona-se: “em que medida é que a agenda ganharia ou perderia em ser partilhada com os públicos do próprio jornalismo?”. No ponto de vista do professor, temos que separar “alhos de bugalhos” e o “trigo do joio” e “acautelar o que é jornalismo e o que não é jornalismo”.

Manuel Pinto é muito prático e simples na sua opinião, na medida em que afirma que “o privilégio do jornalista, de buscar a verdade, a todo o custo, incomodar o poder, verificar a informação e cruzá-la, investigar, etc. são tarefas que um blogger que por muito que se esforce na vida nunca poderá fazer com a competência, com o tempo e com a dedicação que um jornalista faz”.

Apesar do movimento cívico ter perdido a sua força inicialmente, no final dos anos 90 e início dos anos 2000, despoletou pois começaram a surgir ferramentas que permitiam às pessoas ter voz no espaço público: os blogs.

Não só so blogs como o aparecimento das redes sociais vieram “enriquecer a multiplicação dos polos de enunciação”. O discurso dos cidadãos aparece como “perigo público”, na medida em que “punham em causa o discurso vinculado a um protocolo de natureza ética e deontológica que são uma garantia da qualidade de informação”. O orador reitera que é preocupante que a maior parte dos cidadãos se informem através das redes sociais.

“Não podemos pensar no público apenas como audiência”

Um dos grandes problemas que afeta o jornalismo é o afastamento entre o jornalista e a sua audiência e o facto de o jornalista “não inscrever na sua agenda de preocupações as necessidades e as inquietações do seu público”. Para Manuel Pinto é fulcral pensar numa “cultura de escuta”, em que existe um desenvolvimento não só da competência da escuta, como também um desenvolvimento na capacidade perguntar.

O orador reflete que o modo como as perguntas são apresentadas é uma forma autoritária de impor as respostas do público, “como se não houvesse margem para a voz do interlocutor”. “A arte de escutar essa voz voz é fundamental (…), para ouvir não basta ter ouvidos”, afirma.

A esperança no jornalismo

Perto do fim da conferência, Manuel Pinto disse que a “transparências dos processos é tão importante como o sonho da objetividade que marcou gerações de jornalistas”. Esta transparência é fundamental para acreditar a informação e a confiança nessa mesma informação.

Ainda referindo o livro “Os Elementos do Jornalismo” de Bill Kovach e Tom Rosenstiel, o professor fez questão de salientar a capacidade que os autores tiveram em “captar a tendência” na 3º edição do livro, acrescentando mais um princípio relacionado com o papel dos cidadãos. “Nós nunca tivemos uma situação no passado em que todas as pessoas participavam. A crença de que as tecnologias iam abrir portas às dinâmicas de participação e que iria ser um céu, tornou-se um inferno”, brinca.

Manuel Pinto remata que apesar de existirem forças que desvalorizam a qualidade da informação, ainda existem “forças elites a lutar pela boa qualidade”. O orador acredita que o jornalismo salvou-se vai-se continuar a salvar porque no meio há pessoas a lutar pela qualidade e inovação. É necessário que os jornalistas partilhem as suas inquietações e caminhos de resposta para essas inquietações. “É importante debatermos-nos sobre determinados valores e perceber que isso se faz com os outros e não sozinhos”, reforça por último.

Após a conferência, o #6COBCIBER continuou com o estudo : “Tendências da investigação internacional em ciberjornalismo”, apresentado por Raquel Bastos e Fernando Zamith, ambos da Universidade do Porto. Nora Paul da Universidade de Minnesota encerrou o VI Congresso Internacional de Ciberjornalismo.

 

Ana Rita Graça – turma 4