Arquivo mensal: Setembro 2017

Celso Ferreira despede-se dos Paredenses

No próximo dia 1 de Outubro, o autarca Celso Ferreira vai passar o testemunho a um dos 5 candidatos à Câmara Municipal de Paredes. Após ter cumprido 3 mandatos à frente do Executivo Municipal, Celso vai voltar à sua carreira de advogado. Na disputa pela presidência está Rui Moutinho pelo PSD, Alexandre Almeida pelo PS, Álvaro Pinto pelo CDU, Paulo Silva no BE e a candidata independente Raquel Moreira da Silva.

Os estimados 124 mil euros investidos na campanha do PS destacam Alexandre Almeida na corrida à presidência. Os dados foram publicados através de sondagens realizadas por entidades como a magazine promov https://www.facebook.com/search/top/?q=magazine%20promov. Alexandre Almeida de 43 anos é licenciado em Economia e em Direito. Atual vereador da Câmara de Paredes assume que é necessária uma reorganização da gestão dos recursos. O candidato promete apostar na educação, facilitando o acesso ao ensino e ao mercado de trabalho, através de investimentos e redução de custos.

As eleições vão decorrer este domingo, entre as 9 horas da manhã e as 17 horas da tarde. Todos os cidadãos maiores de 18 anos têm direito ao voto e podem consultar o local respetivo para o fazer no site da SGMAI https://www.sg.mai.gov.pt/AdministracaoEleitoral/RecenseamentoEleitoral/ConsultaCadernos/Paginas/default.aspx .

Leonor Bessa

Autárquicas em Gondomar com “coração de ouro” polémico

Campanha do candidato Valentim Loureiro foi inicialmente impugnada e a polémica tem andado de mãos dadas com a sua campanha eleitoral. 

Mal o major apresentou a sua candidatura com o nome de “coração de ouro”, a coligação CDS/PSD liderada por Rafael Amorim, apresentou dois processos judiciais, porque acharam que a escolha do nome da campanha induzia os eleitores em erro. (https://www.publico.pt/2017/08/16/politica/noticia/candidatura-de-valentim-loureio-alvo-de-dois-pedidos-de-impugnacao-1782542

Curiosamente Rafael Amorim, que já trabalhou com Valentim Loureiro como chefe de gabinete de apoio à presidência, quando este foi presidente, é agora seu adversário.

Passada a polémica inicial com a coligação, foi vez de o major atacar o PS. Depois de liderar a câmara de Gondomar nos últimos 4 anos, Marco Matias recandidatou-se pelo PS para as autárquicas de 1 de outubro e recebeu acusações de Valentim Loureiro. O ex presidente, que já venceu por cinco vezes as eleições, acusou a actual câmara de Gondomar de “mau perder” e de interferir com a sua campanha eleitoral. (http://observador.pt/2017/09/02/valentim-loureiro-acusa-camara-de-gondomar-de-tapar-imagem-de-campanha-municipio-justifica-com-festa/ )

Valentim Loureiro, tem marcado presença juntos dos gondomarenses, e diz que ” as sondagens de rua são excelentes”. O ex presidente, admitiu até ser possível fazer um eventual acordo pós eleitoral.

Além destes três fortes concorrentes, Daniel vieira (CDU) e Rui Nóvoa (Bloco Esquerda) são também os nomes que surgem na corrida  à câmara de Gondomar.

As autárquicas de 1 de outubro irão revelar se a campanha forte e polémica de Valentim Loureiro surtiu efeito junto dos seus eleitores.

 

Diogo Gouveia

Autárquicas 2017: Miranda do Douro

As autárquicas decorrem já no próximo dia 1 de outubro de 2017.
No concelho de Miranda do Douro, apresentam-se 3 candidatos na corrida à presidência da Câmara Municipal.
Pelo Partido Socialista (PS) concorre Artur Nunes. O candidato é presidente da Câmara de Miranda do Douro desde 2009. Com o slogan “Honrar Miranda, Defender os Mirandeses”, Artur Nunes recandidata-se pela 3ª vez consecutiva, concluindo o 2º mandato.
Já pelo Partido Social Democrata (PSD) coligado com o CDS – Partido Popular (CDS-PP) quem concorre é Manuel Rodrigo. Foi o antecessor de Artur Nunes durante 3 mandatos. Com o slogan “Respeito e Trabalho” e “Unidos por Miranda” por parte da coligação com o CDS-PP, Rodrigo volta a candidatar-se à Câmara de Miranda do Douro.
Pela CDU, é Glória de Jesus quem concorre.  A candidata é natural de Picote, no concelho de Miranda do Douro, mas reside em Loures.

Sara Pires

Corrida à câmara de Lisboa

A menos de uma semana das eleições autárquicas a corrida à câmara municipal de Lisboa continua em discussão acesa. Sendo que as candidaturas principais pertencem a partidos como o PS, PSD, CDS, CDU e Bloco de esquerda, a campanha eleitoral tem sido uma constante arena de ataques e acusações sobre o passado e o futuro. 

O jornal Expresso resumiu o núcleo temático de discussão entre os cinco principais candidatos nas áreas de “habitação, transportes, turismo e políticas sociais”.  Acrescenta-se ainda a questão dos sem-abrigos considerada por todos os candidatos numa discussão entre quem conseguiu solucionar mais eficazmente o problema nos últimos quatro anos.

A expansão do metro parece ser uma exigência comum entre os candidatos à câmara municipal de Lisboa. A problemática dos transportes públicos que apresenta um peso semelhante na discussão das autáquicas na cidade do Porto  é motivada pelas necessidades da população de uma melhor mobilidade urbana. Apesar do acordo entre a importância desta expansão a forma como ela deve ser feita e questões secundárias como a privatização dos transportes, o funcionamento dos parquímetros e o estacionamento geram desacordo entre os candidatos.

sondagem efectuada pela universidade católica no passado dia 16 de Setembro apontava para Fernando Medina (PS) como o provável vencedor às eleições autárquicas, embora sem maioria absulota com “41% das intenções de voto.”

A mesma sondagem atribui uma vitória a Assunção Cristas, a candidata do CDS com 17% de intenção de votos. colocou a candidata do PSD, Teresa Leal Coelho, em terceiro lugar, com 16%, o valor mais baixo atingido pelo PSD.  O candidato do Bloco de esquerda, Ricardo Rebles, e João Ferreira do CDU recebiam um resultado de 8% dos votos.

Para além dos cinco candidatos já referidos, tidos como os principais nestas eleições, só o Pan está acima dos 1% com o resultado estimado de 3% dos votos. Os candidatos do PCTP/MRPP, PTP, NC, PNR, PURP  e o candidato independente António Arruda recebem menos de 1% dos votos de acordo com o resultado das sondagens.

Fernando Medina propõe a oferta de mais de seis mil casas direccionadas para as famílias de rendimento médio com rendas acessíveis. Quer ainda a redução do IRS para 10% nos contratos de arrendamento habitacional de duração superior a dez anos. Quer expandir a rede de elétricos da Carris, a aquisição de mais autocarros de baixas emissões ou a expansão das ciclovias, com “pelo menos 200 quilómetros” até 2021 e criar faixas dedicadas ao transporte público nas principais vias de acesso a Lisboa. Defende o turismo stustentável e mostra-se apoiante do movimento LGTB e programas de integramente e desenvolvimento sociais.

Assunção Cristas e Teresa Leal Coelho mostram as duas a preocupação em deslocar famílias em carência financeira para alojamentos vagos. Para além da expansão do metro a candidata do PSD propõe a criação de a criação do sistema “tram-tram” para melhorar os transportes no troço Cais do Sodré, já a candidata do CDS foca-se numa diminuição das tarifas de estacionamento e no aumento de estações de metro nos arredores de Lisboa. Em relação ao turismo Cristas afirma a necessidade de centralização do financiamento do turismo para as infraestruturas da cidade e Terasa Leal Coelho propõe progamas e percursos turisticos, aliados a um apoio nas plataformas turísticas. Ambas mostram preocupação em relação ao isolamento dos idosos e à democratização do acesso à creche.

Os candidato comunista João Ferreira a reablitação dos bairros históricos, a aposta em transportes alternativos, a gestão e controlo do turismo e a nível social refere a importância do combate à exploração da prostituição e a expansão de creches, escolas, lares e descontos nos transportes para idosos.

O candidato de esquerda Ricardo Robles defende um controlo no turismo, não-privatização dos transportes, mobilidade gratuita e rendas acessíveis e apoios domiciliários, programas familiares e valorização da comunidade LGTB.

Natália Delgado

Autárquicas Baião: Mudança ou Compromisso?

A corrida à Câmara Municipal de Baião resume-se a dois candidatos, o atual Presidente da Câmara Paulo Pereira pelo PS e pelo PSD/CDS-PP, uma grande surpresa com o candidato Miguel Dinis Correia.

Depois de 12 anos no poder, o PS encontra agora um rival à altura. O PSD deixou o poder em Baião nas autárquicas de 2005, em que a então presidente, Emília Silva, perdeu as eleições para o socialista José Luís Carneiro. O atual Presidente da Câmara, Paulo Pereira, assumiu a presidência da autarquia, em substituição de José Luís Carneiro, quando o então líder do Município foi eleito deputado e mais tarde integrou o Governo de António Costa, como secretário de Estado das Comunidades.

Miguel Dinis Correia, farmacêutico de profissão, foi aprovado por unanimidade como candidato à presidência da Câmara nas eleições autárquicas deste ano, é militante do PSD e liderou a Assembleia Municipal num dos mandatos da social-democrata Emília Silva na presidência da Câmara.

A poucos dias das eleições, os candidatos fazem chegar aos baionenses as suas ideias e projetos através de comícios e convivência com os cidadãos. A tensão é visível entre os dois partidos e a vitória que até então era garantida para o PS, deixou de ser agora uma certeza.

Tudo será decidido no próximo dia 1 de Outubro, em que Baião vai determinar se quer manter o compromisso com o partido socialista ou se aspira uma mudança com a eleição do candidato social-democrata.

Ana Dinis Correia

Autárquicas 2017: Funchal Leal a Cafôfo

As eleições autárquicas estão à porta. Dia 1 de outubro, 308 câmaras municipais vão eleger os seus presidentes. No Funchal, o atual presidente, Paulo Cafôfo, caminha para o segundo mandato.

A lista para a corrida à câmara municipal do Funchal conta com oito candidaturas, sendo que entre elas está o atual presidente Paulo Cafôfo. A lista é composta então por: Rui Barreto a representar o CDS/PP, Roberto Vieira pelo Partido da Terra (MPT), Artur Alberto Andrade como cabeça do Partido Comunista Português (PCP), Jorge Manuel dos Santos pelo Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses (PCTP), Rubina Leal pelo Partido Social Democrata (PSD), Gil Canha como candidato do Partido Portugal Monárquico (PPM), Paulo Cafôfo com o apoio da coligação de esquerda (PS/BE/JPP/PDR/NC) e Raquel Coelho a encabeçar o Partido Trabalhista Português (PTP).

Com a proximidade das eleições, as habituais sondagens começam a ganhar contornos. Num estudo publicado pelo Diário de Notícias da Madeira em parceria com a TSF-Madeira, os resultados apontam para a reeleição de Paulo Cafôfo. Rubina Leal (PSD) surge em segundo lugar a doze pontos do ainda presidente. Este mesmo estudo conclui que apenas Rui Barreto (CDS) pode-se intrometer nesta corrida que promete ser a dois.

Roberta Vieira

 

 

Guimarães: Sondagens apontam à continuidade socialista

Adivinha-se mais uma vitória do PS em Guimarães nas eleições autárquicas do dia 1 de outubro.

Tudo aponta para a continuidade de Domingos Bragança na presidência da Câmara Municipal de Guimarães. A sondagem mais recente aponta para a maioria absoluta do candidato do PS, com 54% dos votos, um aumento de 7% comparativamente ao ato eleitoral de 2013.

Os socialistas estão na liderança da Câmara Municipal de Guimarães desde 1989. António Magalhães subiu pela primeira vez ao poder nesse ano, conseguindo depois outras cinco maiorias absolutas, consecutivamente. A imposição da lei relativa à limitação de mandatos impossibilitou a continuidade de Magalhães, mas não a do partido, que continuou a ver depositada em si a confiança dos vimaranenses.

A aposta na continuidade é assumida pelo PS, baseando a sua campanha no lema “Continuar Guimarães”.

A maior ameaça à continuidade é a coligação que procura ser uma alternativa à hegemonia socialista: a coligação “Juntos por Guimarães”, que reúne os partidos PSD, CDS-PP, MPT, PPM, e PPV/CDC. Esta surge na mesma sondagem com 30,7% dos votos, resultado idêntico ao obtido nas eleições autárquicas de 2013.

O líder da coligação, André Coelho Lima, assumiu recentemente a possibilidade de se coligar com a CDU de Torcato Ribeiro no caso de precisar do apoio de um vereador para governar. No entanto, os 6% apontados aos comunistas nesta sondagem não chegam para estes reelegerem o vereador que atualmente têm.

Wladimir Brito, candidato do Bloco de Esquerda, deverá ter apenas 4% dos votos, falhando também a eleição de qualquer vereador.

O estudo de opinião foi efectuado pela Eurosondagem, nos dias 25 e 26 de Junho de 2017, através de 708 entrevistas validadas.
A escolha foi aleatória nas listas telefónicas e o entrevistado, em cada agregado familiar, o elemento que fez anos há menos tempo, e desta forma aleatória resultou, em termos de sexo, Feminino – 52,1% e Masculino – 47,9%.
No que concerne à faixa etária, dos 18 aos 30 anos foram entrevistados 17,1%; dos 31 aos 59 – 51,1%; com 60 anos ou mais – 31,8%).
O erro máximo da amostra é de 3,67%, para um grau de probabilidade de 95,0%.
Um exemplar deste Estudo de Opinião está depositado na Entidade Reguladora para a Comunicação Social.

Luis Miguel Rocha

Autárquicas 2017: Vila Nova de Gaia

Eduardo Vítor Rodrigues, candidato do PS, com maioria absoluta no terceiro maior concelho do país – Vila Nova de Gaia. 

Segundo sondagem da Católica para o Jornal de Notícias, o atual presidente da Câmara encontra-se à frente com 53% das intenções de voto, 15% mais do que nas últimas eleições. O principal adversário é Cancela Moura que se apresenta com 22% . Moura, candidato da coligação PSD/CDS-PP, acusou há tempos, o socialista de “nada ter feito nos últimos quatro anos”.

A disputa entre CDU e BE pela eleição de um vereador, é um aspeto a considerar. Renato Soeiro é detentor de 8% das intenções de voto o que eleva a posição do Bloco de Esquerda. Enquanto, Mário David Soares apresenta o mesmo resultado das autárquicas de 2013 (6%).

São também candidatos às eleições de 1 de outubro, pelo concelho de Gaia, Pedro Ribeiro de Castro (PAN), Cristiano Ferreira da Silva (PCTP/MRPP), José Vieira da Cunha (PDR) e Marisa Ribeiro (PTP).

 

Maria Luís Albuquerque

Elecciones 2017: Un futuro incierto para Oporto.

Las elecciones municipales de Portugal tendrán lugar el próximo 1 de Octubre. Más de 300 alcaldes serán elegidos esté Domingo, en donde la atención está centralizada en las ciudades más grandes del país, Lisboa y Oporto. Rui Moreira, actual presidente de la Cámara de Oporto lideró las votaciones del 2011 con un 39,25% y se encuentra dentro de los candidatos a elegir.

En el 2013, Manuel Pizarro del Partido Socialista perdió las elecciones con un 22,68%. Por otro lado Bebían Cunha no solo es la aspirante más joven, sino también la primera representante por la cámara de PAN – Personas, Animales y Naturaleza. Este año Oporto dispone de nueve representantes de los cuales tres hacen parte de partidos socialistas.

El último sondeo realizado por la Universidad Católica, dio como resultado la  lideranza de Rui Moreira y Manuel Pizarro con un 34% y 33% respectivamente, ratificando un margen de error de aproximadamente 2,8%. Sin embargo, Moreira expreso que dicho senso es falso y busca manipular a los votantes, siendo que él lleva la delantera en intención de voto.

Aunque el futuro de Oporto es incierto se considera que la victoria de las elecciones estará definida entre Moreira y Pizarro.

Daniela Luna, Turma 5

Previsões para as Autárquicas 2017 – Matosinhos

As próximas eleições autárquicas têm data marcada para o próximo domingo, dia 1 de Outubro. Como seria de esperar já são conhecidos os candidatos às câmaras do nosso país. Matosinhos, pertencente à região do Grande Porto, não é exceção.

Como candidata pelo PS, à Câmara de Matosinhos, temos Luísa Salgueiro, licenciada em Direito e Consultora Jurídica. A representante do partido socialista tem um historial em cargos como Vereadora da Câmara Municipal de Matosinhos de 1997 a 2009 e como Consultora Jurídica da Câmara Municipal do Porto desde 1997, continuando atualmente a desempenhar esta última função.

António Parada apresenta-se como o candidato independente com o apoio do CDS-PP. Este independente foi Presidente da Junta de Freguesia de Matosinhos e, em 2013, candidatou-se à Câmara de Matosinhos pelo PS, perdendo as eleições para Guilherme Pinto, o anterior e falecido presidente da Câmara de Matosinhos.

Nesta área do Grande Porto o PSD apresenta como seu representante Jorge Magalhães, médico reformado. Este candidato terá sido, entre 1997 e 2001, Vereador na Câmara de Matosinhos.

A CDU faz-se representar pelo candidato José Pedro Rodrigues, o mais jovem dos candidatos a este cargo e licenciado em Comunicação Social. Antes da sua candidatura a este cargo, ocopou o lugar de Vereador da CDU na Câmara de Matosinhos, detendo os pelouros Transportes e Mobilidade. Também foi, de 2000 a 2013, Membro da Assembleia Municipal de Matosinhos.

O BE apresenta José Joaquim Ferreira dos Santos como o seu candidato. No historial do representante do bloco de esquerda pode-se sublinhar o facto deste ter sido fundador do seu partido, deputado municipal em Matosinhos desde 2009 e Membro da Comissão Coordenadora Distrital do Porto do BE.

Narciso Miranda aparece na corrida para a chefia da Câmara de Matosinhos como independente, tendo tido como cargos anteriores o de Vereador sem pelouro da Câmara Municipal de Matosinhos, Candidato à presidência da Câmara de Matosinhos em 2009 e Presidente da Câmara de Matosinhos pelo partido socialista de 1977 a 2005.

O PAN tem pela primeira vez uma representação nas Autárquicas em Matosinhos, sendo que o candidato apresentado pelo partido é Filipe Cayolla, empresário e Membro da Comissão Política Nacional do PAN.

Mais informações sobre os candidatos às Autárquicas 2017 de Matosinhos podem ser encontrados em: https://jpn.up.pt/2017/09/19/autarquicas-2017-ja-esta-na-corrida/

De acordo uma sondagem realizada esta semana pela Universidade Católica, para ser divulgada pela RTP e pela Antena1, em Matosinhos é prevista uma vitória da candidata do partido socialista, Luísa Salgueiro, posivelmente com maioria absoluta. Narcisso Miranda, o candidato independente, ficará em segundo lugar, de acordo com a mesma previsão. O PAN será o partido cujo candidato, Filipe Cayolla, ficará com menos votos, de acordo com a informação divulgada.

Mais informações sobre esta sondagem em: https://www.rtp.pt/noticias/autarquicas2017/sondagem-ps-a-beira-da-maioria-absoluta-em-matosinhos_n1029426#

Beatriz Mosa, up201604074