Revista de Imprensa

Esta sexta-feira, o Correio da Manhã escreve que “Conta da luz castiga famílias”. Os preços estão acima da inflação e as tarifas sobem 1,2% em janeiro. O jornal não deixa, também, de mencionar que “O CM é o único jornal com mais de um milhão de leitores”.

O Jornal de Notícias conta que a segurança está “apertada” em Lisboa e no Porto. Seguida dos atentados de Paris, a PSP reforça a segurança e colocam “dez mil polícias e metralhadoras para vigiar Natal”.

O Público refere que “Paulo Macedo arrisca-se a entrar na CGD com equipa a meio gás”. A 15 dias de Domingues sair da liderança da Caixa, Governo não entregou no BCE os nomes para a futura liderança do banco. Esta estratégia passa por obter aprovação para uma administração em duas fases. Sabemos, também, que o Presidente da República dá média de 15 valores a Portugal em 2016, contrariando PSD e afirmando que o Governo “vai bem na banca”.

Diário de Notícias  apresenta o acordo de concertação social mais vasto, a cargo do Presidente Marcelo. O Presidente defende que é “pobre” centrar o acordo na discussão do salário mínimo nacional e pediu aos parceiros que analisem também a política fiscal e formação. A Organização Internacional do Trabalho recomenda subida do salário mínimo e aumento da negociação coletiva para reduzir diferenças salariais entre e dentro das empresas.

O Observador coloca em destaque a Guerra na Síria: “O que é que realmente se passa?”, “Afinal, o que se passa em Alepo?”, numa tentativa de descobrir onde fica Alepo e porque razão existe guerra na cidade.

Por fim, no Diário Digital destaca-se a afirmação do ex-presidente do INEM. Paulo Campos refere que buscas decorreram de processos ligados a autorias que pediu.

Alexandra Denise P. Pinto