III Jornadas ObCiber: Experiências Académicas

O pólo de Ciências da Comunicação da Universidade do Porto recebeu, no passado dia 4, as III Jornadas ObCiber. O evento assinalou os 20 anos do jornalismo online e contou com vários painéis, conferências e uma entrega de prémios pelo Observatório do CiberJornalismo.

Realizaram-se no dia 4 de Dezembro as III Jornadas ObCiber, em comemoração dos 20 anos de ciberjornalismo. Um dos painéis do evento foi “Experiências Académicas”, moderado por Pedro Jerónimo (Instituto Superior Miguel Torga – ISMT). Este painel teve como convidados Anabela Gradim, diretora da Urbi & Orbi, Rui Barros, diretor do ComUM e Afonso Ré Láu, antigo colaborador do JPN.

12308830_1101512509861993_6821956448411328884_n

Fonte: Facebook Obciber Observatório do Ciberjornalismo

Após uma introdução aos três projetos, levada a cabo pelo moderador, foi dada a palavra à professora Anabela Gradim, que começou por falar sobre o crescimento e valores daquele que é o projeto de ciberjornalismo mais antigo de Portugal. A Urbi & Orbi é redigida por alunos do 3º ano de Ciências da Comunicação da Universidade da Beira Interior (UBI).
Este laboratório de webjornalismo tem quase 16 anos e tornou-se um meio de divulgação da própria universidade, contando hoje com mais de 8000 edições.

Gradim salienta que, apesar de recorrer aos atributos do jornalismo online, como a interatividade e conteúdos multimédia, não abdica de valores que são a matriz do jornalismo de imprensa, tais como a periodicidade. Além destas características, destaca ainda o papel da Urbi & Orbi enquanto meio de divulgação da própria Universidade.

Rui Barros, o segundo convidado, começou por falar da história do projeto que lidera. Barros afirmou que a “ComUM” surgiu de uma “enorme vontade dos alunos da Universidade do Minho” (UM), que “vestem a camisola pelo projeto”. A forma de atrair colaboradores passa por fazer uma sessão de esclarecimento no início do ano para explicar aos novos alunos em que consiste o projeto e a sua importância.

Rui Barros usou como exemplo a sua própria colaboração, que começou logo no primeiro ano da licenciatura. Essa atividade, que culminou na sua recente promoção a diretor, foi uma parte essencial da sua aprendizagem, tanto quanto as aulas e o contacto com os alunos mais velhos.

Por fim, Afonso Ré Lau apresentou o JPN, do qual foi colaborador. Este jornal digital, fundado em 2004, funciona no contexto da licenciatura em Ciências da Comunicação na UP e é direccionado sobretudo para um público jovem. O vencedor do Prémio de Jornalismo do Fundão “Ensino Superior” afirmou que o bom ambiente na redação e o espírito de equipa entre os estagiários foram os fatores mais importantes. Com propostas inovadoras, entreajuda e ambição, o resultado foi “jornalismo bem feito”.

Após a partilha de experiências jornalísticas de contexto académico, foi dada a oportunidade do público participar na discussão, colocando questões aos oradores. Este debate centrou-se sobretudo na forma de cativar colaboradores para estes projetos. Por fim, Pedro Jerónimo deu por terminada a sessão, lamentando o facto destes órgãos de comunicação estarem limitados ao ano letivo, e rematando que “o entusiasmo e a envolvência são essenciais para a sobrevivência dos projetos”.

Maria Godinho Vasconcelos